Quarta-feira, 25.09.13

Polpo con patate

 

Não me canso da Tessa Kiros mas não posso dizer o mesmo desta toalha que tenho na cozinha. Bolinhas são lindas, mas quem der uma vista de olhos nas minhas últimas postagens, deve pensar que não tenho nada mais para colocar na mesa :) A comida é diferente mas é sempre servida na mesma toalha. Há uma explicação lógica para tanta monotonia: esta é uma toalha ecológica, é só passar um pano húmido no final das refeições e ela fica limpinha. Além disso, com os raios de sol dos últimos dias de verão, era-me bastante fácil tirar fotos na cozinha, com a mesa já posta e prontos para comer.

A partir de agora as coisas vão mudar, a luz está mais fraca, os dias mais cinzentos e curtos obrigam-me a sair de casa para uma miserável foto do prato do dia. O outono é a minha estação favorita e já hoje senti o aconchego delicioso de um casaco de malha, panquecas ao lanche e uma refeição confortável.

Seja verão ou inverno, teremos sempre Tessa à mesa e... toalha às bolinhas :)

 

Polvo com batatas (Veneza - Tessa Kiros)

 

500 g de polvo

4 colheres (sopa) de azeite

1/2 cebola branca picada

2 dentes de alho picados

uma boa pitada de malagueta

125 ml de vinho branco

375 ml de caldo de legumes

500 g de batatas descascadas e cortadas em pedaços

2 colheres (sopa) de salsa picada

 

Preparação:

 

Arranje o polvo, limpe-o e corte a carne aos pedaços deixando os tentáculos relativamente longos.

Aqueça o azeite num tacho largo, tapado, e salteie a cebola até ficar amolecida e começar a alourar num ou noutro ponto. Adicione o polvo, mexa, tape e deixe cozinhar até à evaporação quase total do líquido. Acrescente o alho e a malagueta e mexa. Quando começar a cheirar bem, adicione o vinho e deixe cozinhar à mesma temperatura (destapado) até se evaporar praticamente todo o vinho.

Introduza o caldo de legumes e deixe levantar fervura. Diminua a temperatura e deixe ferver em lume brando durante cerca de 30 minutos - coberto durante os primeiros 10 minutos, depois descoberto - até o polvo ficar muito tenro.

Entretanto, deixe cozer as batatas durante 10 minutos, num tacho com água e sal, até ficarem quase cozidas, mas ainda firmes. Escorra a água.

Acrescente as batatas ao polvo no final da cozedura, quando restar apenas pouco líquido, depois deixe ferver os dois ingredientes em conjunto, em lume brando, durante 5 minutos. Rectifique os temperos.

Desligue o fogão e aguarde 10-15 minutos, de maneira que as batatas absorvam o líquido restante. Polvilhe com salsa picada. Sirva quante ou à temperatura ambiente, depois de temperar com um pouco de sal e pimenta preta acabada de moer.

 

Bom outono a todos os habitantes do hemisfério norte e boa primavera ao sul ;)

publicado por Ameixinha às 23:46 | link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar
Domingo, 20.01.13

Arroz de polvo


Andamos numa onda de arrozes aqui em casa. Tudo porque a minha mãe quer arrozes que escorreguem e que não lhe entupam o canal errado. Sendo assim, arroz seco, só muito de longe a longe. Lembrava-me de comer arroz de polvo quando era mais nova - muito mais nova - e de termos deixado de comer esse bichinho porque alguém se tinha lembrado de ter colesterol e o polvo deixou de entrar cá em casa. Mas, eis que no finalzinho do ano passado eu tive que o reintroduzir porque já era tempo. Tendo ou não colesterol, um dia por outro, não há-de fazer mal um arrozinho de polvo.

Pior foi a busca da receita, todas tinham ingredientes que eu não me lembrava de comer quando a minha mãe fazia este arroz. Sendo assim, fiz o arroz mais simples que poderia. O bicho foi cozido por cerca de 20 minutos na panela de pressão, juntamente com 1 cebola, 2 folhas de louro e um pouquinho de pimenta sichuan. 

Num tacho estala-se 1 dente de alho picado em azeite e junta-se 1 chávena de vinho branco, juntamente com o líquido coado que resultou da cozedura do polvo, 2 colheres de sopa de polpa de tomate e um pouco de sal marinho. Junta-se ao tacho cerca de 300 gr de arroz carolino e deixa-se ferver. Entretanto corta-se o polvo aos pedacinhos e, quase no final da cozedura do arroz, adiciona-se ao tacho. Deve verificar no decorrer da cozedura, se o arroz precisa de mais líquido, caso seja necessário, vá juntando água ou vinho aos poucos. Sirva imediatamente.

 

O arroz deve ficar bem solto, de propósito para se ir molhando um pedaço de pão ou para limpar o prato com o pão quando o arroz tiver desaparecido :)

 

Bom resto de Domingo e boa semana a todos.

publicado por Ameixinha às 18:31 | link do post | comentar | ver comentários (20) | partilhar
Sábado, 27.11.10

Lulas à americana

O ditado está errado: nem tudo o que vem à rede é peixe, porque no mar vivem moluscos, crustáceos, mamíferos e mais um sem número de coisas manhosas e esquisitas, daquelas que ainda nem foram descobertas nem tão pouco baptizadas.
Não sei se já contei esta estória mas, há alguns anos atrás a minha mãe, em conversa com uma amiga, disse que tinha comprado lulas e a senhora perguntou à minha mãe se ela gostava disso. A minha mãe disse que adorava e a senhora disse que não percebia como as pessoas gostavam daquilo, porque parecia que tinha palha por dentro :)
Infelizmente há muita gente que não sabe preparar as delícias que o mar nos dá, em resumo: há gente que acha que é só comprar e atirar para dentro do tacho! Por isso esta receita explica tim tim por tim tim como se deve fazer uma receita de lulas deliciosa, mas tenham muito cuidado para não queimar as pestanas, ok?

Ingredientes:
1,5 kg de lulas frescas
2 cebolas
azeite q.b.
2 colheres (sopa) de conhaque (usei whisky)
4 colheres (sopa) de polpa de tomate
1,5 dl de vinho branco
2 dentes de alho
1 haste de estragão
sal e pimenta
2 colheres (sopa) de salsa picada (opcional)

Preparação:
Limpe as lulas e retire a pele escura. Esvazie-as, tire os olhos e a membrana que se encontra no interior. Lave-as e corte os sacos às tiras e os tentáculos aos pedaços.
Pique as cebolas e doure-as em 5 colheres (sopa) de azeite. Junte as lulas e cozinhe em lume vivo até ficarem bem rosadas. Regue com o conhaque e incendeie. Quando a chama se extinguir adicione a polpa de tomate dissolvida no vinho, os alhos picados e o estragão.
Baixe o lume e cozinhe durante 20 minutos. Tempere com sal e pimenta e, se gostar, polvilhe com salsa picada.

Notas:
Optei por dar uma cozedura às lulas primeiro, para que perdessem um pouco da coloração rosada e ficassem mais tenrinhas.
Vi a receita na revista "boa mesa" nº 21 de 2005.
Podem acompanhar com arroz branco, mas eu gosto mais com batatas fritas ou batatas cozidas.

Bom fim de semana :)
tags:
publicado por Ameixinha às 11:02 | link do post | comentar | ver comentários (48) | partilhar
Sexta-feira, 19.09.08

Potas com camarão na cerveja


Depois da saga dos camarões aqui, ainda sobrou 1 kg de gigantones. 1 kg não, porque o meu irmão pegou em quatro e levou para a casa da faculdade. Veio perguntar como se fazia... ia levar para fazer ao jantar para a namorada. Quatro camarões para duas pessoas? É pouco e foi pouco! E o pior é que era jantar romântico. Mas o rapaz ficou a enviar mensagens e a telefonar o tempo todo a perguntar como se fazia, quanto era de alho, se esmagava junto com o sal, que manteiga era? E não perguntava tudo de uma vez... foram várias mensagens. Aii... o romantismo já não é o que era, agora mete tecnologia pelo meio :)

Mas acho que correu tudo bem. A sobremesa é que ninguem sabe qual foi ;)

Como somos grandes apreciadores de moluscos e camarão, decidimos juntar o útil ao agradável e casamos potas (sugestivo hein?) com camarões de Moçambique.

Um casamento perfeito que começou assim, tudo feito a olhómetro:

Primeiro cozi as potas para tirar-lhe a cor avermelhada. Cozi também os camarões e descasquei-os. Reservei.

Cortei alho e cebola aos bocadinhos e levei ao tacho com azeite. Juntei polpa de tomate, uma cerveja, uma ou duas folhas de louro, uma malagueta seca (sem sementes) e deixei refogar tudo até a cebola cozer.

Retirei o louro e coloquei as potas partidas e os camarões inteiros. Deixei cozer em lume brando. No final passei o molho pela varinha mágica para ficar mais cremoso.

Foi caso para dizer: "Pota que pariu! Ficou muito bom!" ;)
Sem ofender as potas...


E depois de tanto dia de ausência deparo-me com tantos miminhos que aproveito para publicar e agradecer a quem mos enviou.


Para começar recebi o prémio Dardos vindo da Carmencita, Janeca, Uma casa no Norte, Moonlight, Talula e Menos calorias mais vida. A todas o meu agradecimento pela lembrança :)

Este prémio tem como objectivo:

“Reconhecer os valores que cada blogueiro mostra a cada dia, seu empenho por transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc. Em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras…”
E pede aos premiados que respeitem as seguintes regras:
1. Aceitar exibir a distinta imagem e cumprir as regras.2. Linkar o blog do qual recebeu o prémio.3. Escolher quinze (15) blogs para entregar o Prémio Dardos. Como estou super atrasada e já vi que muita gente recebeu... vou passar esta parte à frente. Peço desculpa!




Depois mais um mimo carinhoso enviado pela Carmencita, que diz "I love your blog" :) Que grande orgulho, saber que gostam do blog que criámos e mantemos com muito carinho. Adorei! E se eu fosse a dizer os blogs que eu adoro visitar nunca mais saía daqui. Como sabem tenho que fazer muita visita e pôr as coisitas em dia. Eu adoro todos os blogues que visito, senão não os visitava ;)



E a Janeca deixou-me um desafio. Quais são as minhas manias? Aiii agora vão saber que afinal uma Psicóloga também pode sofrer de POC eh eh...




Aqui vão 5 das minhas manias:


1- O exaustor tem que ser ligado enquanto cozinho porque odeio o cheiro a comida na roupa, no cabelo, em todo o lado.


2- Passo a vida a lavar as mãos, odeio as mãos sujas.


3- Os meus sapatos têm que estar alinhados, as gavetas fechadas, tudo no seu sítio. Se não estiver eu não adormeço.


4- Não gosto de provar comida enquanto cozinho.


5- Ir anotando o que me falta na cozinha para depois comprar. E muitas vezes levo as revistas e os livros comigo para não me esquecer de nada.






Agora outra coisinha que eu tenho que referir. Tinha falado no Desafio da Polenta e as votações abertas. Pois bem, tenho a dizer que foi a Polenta Doce que ganhou o desafio e, em breve, vou receber um presentinho vindo do outro lado do Atlântico ;)


Agradeço muito a todos quantos votaram na minha Polenta!

Grande abraço!


Um post longo mas tinha que ser!

Espero não me ter esquecido de nada nem de ninguém :)

publicado por Ameixinha às 12:20 | link do post | comentar | ver comentários (30) | partilhar

mais sobre mim

a possuída moída

Sobrevivo numa selva de hipocrisia, burocracia e cegueira de quem não quer ver. Prefiro não me lembrar da crise de valores que vivemos, mesmo sendo quase impossível esquecer-me disso. Cozinho e como com prazer, mesmo que alguma culpa surja depois. Gosto de andar a pé sozinha, viajar de comboio com um livro na carteira, dizer "Bom dia" com convicção e a sorrir. Ajudar quem precisa é o que me permito fazer sem pensar duas vezes, embora haja muita gente mal-agradecida. Sou adepta da boa disposição, da humanidade e respeito nos serviços de saúde e educação, acredito na capacidade de generosidade e bondade das pessoas que me rodeiam. Entristece-me que, nem sempre, essas capacidades sejam canalizadas quando deveriam. Não gosto das vizinhas coscuvilheiras e de pessoas mal educadas, prepotentes e ocas. Os meus olhos transmitem tudo o resto de mim e são cor da canela. Amo a Fauna e a Flora. Adoro o Outono e as folhas que caem. Não vejo qualquer utilidade em peluches. E a única coisa que é afrodisíaca é o amor.

pesquisar neste blog

 

posts recentes

Posts mais comentados

aqui acontece

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

arquivos

tags

links

subscrever feeds

quantos por cá passaram...