Segunda-feira, 28.12.15

Fritos de abóbora

30-11 031.jpg

 

Não está fácil! Não está mesmo!

Este ano passou a correr e o blog abrandou. As prioridades são outras. A vida deu uma volta de 180º e eu aproveitei-a.

O ano começou mal, muito mal! Mas ali no meiozinho começou a melhorar. Encontrei-me. Sou eu. Estou feliz. Consciência tranquila. Vontade de chorar de tanta gratidão que sinto!

Há ansiedades que continuam, porque a perfeição ainda não existe. Trabalho-as o melhor que posso e sei. Às vezes não sei nada, é certo :)

Sei que gosto de muita coisa, sei amar quase tudo... ignorar outro tanto.

Continuo a cozinhar muito, fotografo cada vez menos.

Amanhã não sei o que vai ser, a volta que vou dar, onde estarei.

T-u-d-o-m-u-d-a-n-u-m-s-e-g-u-n-d-o.

Quero sempre mudar para melhor. É possível ;)

 

Pumpkin fritters (apples for jam from Tessa Kiros)

500 g de abóbora

40 g de farinha schar mix b

uma pitada de bicarbonato de soda

2 ovos, ligeiramente batidos

4 colheres (sopa) de açúcar

1 colher (chá) de canela moída

manteiga, para fritar

 

Preparação:

Limpe e corte a abóbora e leve a cozer por cerca de 15 minutos. Coe e drene bem a abóbora. Coloque numa tigela e faça-a em puré. Deve obter cerca de 1 chávena de puré.

Adicione a farinha, bicarbonato, ovos, 1/2 colher (chá) de sal e uma pitada de pimenta moída na hora, e misture bem. Coloque o açúcar e a canela num pequeno prato de misture-os.

Aqueça um pouco de manteiga numa frigideira antiaderente, o suficiente para cobrir o fundo, e em lume médio frite colheradas da massa. Deixe-as assentar e, só depois, vire-as para que fritem do lado oposto. Retire da frigideira e coloque em papel de cozinha para absorver excessos de manteiga. Passe pela mistura de açúcar e canela e sirva.

publicado por Ameixinha às 22:09 | link do post | comentar | ver comentários (8) | partilhar
Quinta-feira, 03.09.15

Queques de chocolate negro

30-08 025.jpg

Há uns tempos fui contactada para experimentar um produto vendido pela Zumbu.com.

Aceitei de bom grado, até porque não é fácil encontrar cacau em pó isento de glúten.

Experimentei estes queques e obtive um óptimo sabor puro a cacau. O aroma é delicioso :)

 

Ingredientes:

1/2 chávena de óleo vegetal

85 g de chocolate negro, partido

1/3 chávena de cacau cru em pó BioSamara

1/2 chávena de farinha sem glúten Schar

1/3 chávena de amêndoa moída

3/4 colher (chá) de fermento

1/2 colher (chá) de bicarbonato de soda

1/2 colher (chá) de psillium

1/2 colher (chá) de sal

2 ovos grandes

1 colher (chá) de extracto de baunilha

1/2 chávena de açúcar

1/2 chávena de leite sem lactose

30-08 021.jpg

 

Preparação:

Pré-aqueça o forno a 180ºC e prepare 12 formas para queques.

Misture o chocolate, óleo e cacau e leve ao microondas, mexendo ocasionalmente, até derreter. Bata esta mistura até ficar cremosa e depois deixe repousar para arrefecer ligeiramente.

Noutro recipiente misture a farinha, fermento, bicarbonato, sal e psillium.

Numa tigela limpa bata os ovos com a baunilha. Junte o açúcar e mexa até estar bem misturado. Adicione a mistura de chocolate e o leite e envolva.

Aos poucos, envolva a mistura de farinha.

Divida a massa pelas formas e leve ao forno até que um palito inserido no centro dos queques, saia limpo - cerca de 16 a 18 minutos. Deixe-os arrefecer nas formas por 10 min e depois retire-os e deixe arrefecer completamente.

 

Receita adaptada do livro "The how can it be gluten free cookbook".

Para quem não é intolerante ao glúten é só trocar por farinha de trigo e aumentar a quantidade para 1 chávena.

 

publicado por Ameixinha às 16:56 | link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar
Quinta-feira, 08.01.15

Pavlova de chocolate com lemon curd

pavlova1.JPG

O final de 2014 trouxe uma casa "nova" e um forno novo. Um forno onde se podem fazer pavlovas.

O final de 2014 trouxe novos amigos, uma viagem, muitos encontros para planear a viagem, muito chá, biscoitos, pavlovas, gargalhadas.

Convenhamos que toda e qualquer reunião de amigos onde não haja comida... é algo muito chato! Uma boa desculpa para ir para a cozinha, porque os bons amigos merecem o melhor de nós e, o meu melhor, neste momento, é uma pavlova de chocolate! Eles merecem e eu também

 

Ingredientes:

4 claras

200 g de açúcar em pó

4 colheres (sopa) de amido de milho

3 colheres (sopa) de cacau em pó

1 colher (chá) de vinagre de vinho branco ou sidra

100 g de chocolate semi-amargo

200 ml de natas sem lactose

1 colher (chá) de essência de baunilha

2 colheres (sopa) de lemon curd

frutos vermelhos

 

Preparação:

Pré-aqueça o forno a 140ºC.

Desenhe um círculo de 23 cm de diâmetro numa folha de papel vegetal.

Bata as claras em castelo. Gradualmente junte o açúcar e vá batendo até que a mistura fique em castelo novamente. Adicione o amido, cacau e o vinagre.

Coloque a mistura dentro do círculo e espalhe fazendo uma ligeira concavidade no centro para rechear posteriormente.

Leve ao forno por cerca de 1h30min.

Para o recheio, derreta o chocolate em banho-maria ou no microondas. Remova e deixe arrefecer ligeiramente.

Bata as natas com a baunilha até ficarem espessas.

Envolva 4 colheres de sopa de natas batidas no chocolate derretido.

Envolva o lemon curd com as restantes natas.

Coloque o merengue num prato de servir, recheie com as natas e, depois, com a mistura de chocolate. Decore com amoras ou outros frutos vermelhos.

 

pavlova.jpg

 

Receita do livro "The chocolate and coffee bible".

Não tirei foto a nenhuma fatia, tornou-se tarefa impossível. Desta última até houve disputa pela última fatia. Nunca eu tinha visto uma sobremesa desaparecer tão depressa!

 

Bom fim de semana

 

publicado por Ameixinha às 21:41 | link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar
Quarta-feira, 24.12.14

Sonhos, leva-os o vento

sonhos vento.jpg

Nem sempre os sonhos que sonhamos são bons. Alguns são um veneno. Eles embelezam a realidade, aumentam as nossas expectativas, impulsionam-nos para outro mundo, fazem-nos acreditar na mentira. Os sonhos não matam, eles fortalecem-nos depois da realidade nos bater fortemente na face. Acorda! E acordamos, lambemos as feridas, remoemos as lembranças, suportamos as memórias, rasgamos a pele de arrependimento.

E insistentemente, o sonho vive em nós. Perdemos um, criámos outro, regamos uns quantos, esperamos que, pelo menos um, sobreviva e dê frutos. Criaturas de esperança, é o que somos. O coração, por muito magoado que esteja, insiste em esperar melhor, o que ainda não veio, o que tanto queremos, que nem sabemos merecer, mas que desejamos fortemente. Quero sonhos e um coração aberto para que entrem concretizações. Até que isso aconteça, deixo que o vento me transporte para outras paragens, lugares longínquos, sítios onde os sonhos podem ir e, um dia, onde nós também voltamos.

Engulam sonhos e deixem que corram nas vossas veias. Se o sangue é vida, não deixemos que os sonhos sejam a nossa morte ;)

 

Bolinhos de vento (daqui)

 

80 g de água

80 g de leite sem lactose

30 g de margarina vaqueiro

80 g de maizena peneirada

1 colher (chá) de fermento

2 ovos

1 pitada de sal

 

Preparação:

Num tacho, coloque a água, leite, margarina e sal e espere que ferva. Retire do lume e deite a maizena de uma só vez, mexendo bem para que não se formem grumos. Incorpere os ovos, um a um, batendo bem entre cada adição. Numa frigideira, aqueça óleo e frite pequenas bolas de massa. Coloque em papel absorvente e passe por uma mistura de canela e açúcar.

publicado por Ameixinha às 18:38 | link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar
Quinta-feira, 18.09.14

Muffins de abacate

Não sei o problema que a maioria das pessoas têm com a chuva. É certo que tivemos um verão tímido, estranho, deslavado. Até gostei que fosse assim, ameno. O sol forte torna tudo tão seco, árido, queimado.

Quando chove, o céu até pode estar mais cinzento mas a natureza fica mais verde, a terra liberta o seu característico odor. Além disso, só quando chove conseguimos ver o arco-íris. Há lá alguma coisa mais colorida que um arco-íris? No verão, o céu até pode ser azul mas continua a ser inalcansável. Quem adora essa beleza mas não a alcança, deve viver em permanente insatisfação. Melhor que isso é estender a mão, tocar a chuva, cheirar a terra e ver as plantas mais verdes que nunca, contrastando com o céu cinza. Água é vida e, quando cai do céu sem pedirmos, só pode ser benção divina... desde que não venha inundar nada. Ó céus, não abusem da minha benevolência!

E sim, hoje apanhei um banho de chuva, lavei a alma!

 

Ingredientes:

150 g de farinha sem glúten (usei schar mixB)

1 1/2 colher (chá) fermento

125g de manteiga amolecida

165g de açúcar em pó

2 ovos médios

1 colher (sopa) de açúcar baunilhado

200 g de abacate amassado

 

Preparação:

Pré-aqueça o forno a 170ºC. Misture o fermento à farinha e reserve.

Bata a manteiga, misture os açúcares e bata até formar um creme.

Acrescente os ovos, um a um, batendo entre cada adição em velocidade alta.

Junte, alternadamente, o creme de abacate e a mistura de farinha.

Coloque em formas de queques e leve ao forno por cerca de de 30 minutos. Sirva mornos ou frios.

 

Receita adaptada do blog Dia de Domingas.

publicado por Ameixinha às 22:46 | link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar
Terça-feira, 24.06.14

Queques werther´s

 

Estão uns dias mesmo como eu gosto, um friozinho na espinha, uma vontade de ligar o forno, terra molhada, cheiro de outono e sabor a caramelo e chocolate. Diz que é verão :)

Pegando no desafio que me foi feito pela Werther´s, juntei o que mais gosto e o que menos aprecio. Os caramelos foram desembrulhados com esperança no olhar e água na boca. Às vezes temos que fazer algo que nunca experimentamos, e resisti à tentação de levar à boca os rectângulos de nata. Caramelos são a minha praia e bananas, infelizmente, também. Vivo rodeada deles, uns mais caramelos que outros, uns menos ou mais bananas. Tomara eu conseguir pegar nesses, esmagá-los e juntá-los a chocolate. De certeza que o mundo seria um lugar bem melhor, se caramelos e bananas existissem apenas nuns queques e fossem empurrados com chá. Ahhh!


 

Ingredientes:

3 bananas muito maduras

125 ml de óleo vegetal

2 ovos

200 g de farinha Mix B Schar

100 g de açúcar em pó

1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio

1 colher (chá) de fermento

75 g de pedaços de caramelos moles Werther´s Original

75 g de chocolate negro

 

Preparação:

Pré-aqueça o forno a 200ºC e forre um tabuleiro para queques com 12 forminhas de papel.

Amasse as bananas e reserve durante algum tempo.

Verta o óleo para uma taça e bata com os ovos.

Deite a farinha, açúcar, bicarbonato e fermento numa taçae junte a mistura de ovos e óleo, seguida pelas bananas esmagadas.

Incorpore os pedaços de caramelo e chocolate e divida a mistura pelas forminhas. Coza durante 20 minutos.

Rende cerca de 12 queques.

 

Receita adaptada do livro "Na Cozinha com Nigella".

 

publicado por Ameixinha às 15:28 | link do post | comentar | ver comentários (9) | partilhar
Domingo, 08.06.14

Sobremesa gelada de morangos

 

 




Dizem por aí os entendidos que, muito em breve, vamos ter tanto calor que vamos desejar - eu sei que vou - dias de inverno rigoroso. 

Em jeito de preparação, deixo-vos uma receita fresquinha com uma cobertura extraordinária, apropriada para enfrentar dias abafados. 

É época de morangos e tenho visto muita gente a colher os pequenos frutos sumarentos dos seus canteiros. Infelizmente, os morangos aqui de casa não são em grande quantidade e tamanho, por isso usei morangos de compra.

Imagino esta sobremesa com outras bagas e até, loucura, com uma mistura de frutos do bosque. Um bosque fresco e acolhedor.

Já estou a stressar com o calor que ainda nem chegou. Já me sinto asfixiada pelo bafo morno, pelos pólens no ar, pelos insectos malucos a esvoaçar à minha frente e por gente que desconhece o uso de desodorizante. Humm, pelo menos vou poder dar uso à cambada de vestidos e saias que repousam no armário. Stressada, mal humorada mas bem vestida, ou despida... já nem sei :)

 

Boa semana!




 

 

Ingredientes:

1 chávena de farinha de arroz

1/4 chávena de açúcar amarelo

1/4 chávena de nozes partidas

1/2 chávena de manteiga derretida

 

2 claras de ovo

1/2 chávena de açúcar

1 1/4 chávena de natas

2 colheres (sopa) de sumo de limão

2 chávenas de morangos cortados e esmagados

 

Pré-aqueça o forno a 180ºC.

Junte a farinha, açúcar, nozes e manteiga e espalhe bem numa forma. Leve ao forno para dourar, cerca de 20 minutos. Mexa algumas vezes. Deixe arrefecer.

Bata as claras com o açúcar até ficar merengue.

Bata as natas até formar picos suaves.

Combine as natas com as claras, sumo de limão e os morangos.

Prepare uma forma e espalhe 2/3 da cobertura na base. Coloque a mistura de natas por cima e salpique a superfície com a restante cobertura. Leve a congelar por cerca de 3 a 6 horas. Retire 15 minutos antes de servir.

 

Receita adaptada do blog She wears many hats.

publicado por Ameixinha às 23:32 | link do post | comentar | ver comentários (10) | partilhar
Domingo, 18.05.14

Queques de chocolate

 

Quando abri a caixinha a imitar um fogãozinho, voltei imediatamente à minha infância. Nunca tive um fogão, não! Na minha altura, tempos idos que não retornam, nós usavamos a imaginação. Fazia cozinhados de bagas e folhas de eucalipto, tudo cozinhado em folhas de figueira ou de uva, que depois fingíamos saborear de forma entusiasta. Belas cozinheiras nós eramos, autênticas gourmets :) 

Para celebrar esse acontecimento apaixonante que é levar um bolo ao forno, escolhi o chocolate. Não sendo o meu sabor favorito, deixei-me levar pelo que me apetecia ontem, hoje e, com sorte, vai apetecer amanhã: cho-co-la-te! Ele pode não salvar, mas a serotonina e endorfina libertadas vão dando o suporte necessário em momentos críticos. Além disso, olhando para a vaqueiro líquida e para o açúcar moreno, achei que tinha que ser chocolate, combinava e, de facto, combinou. A fôrma que estava dentro do fogãozinho sugeriu que teriam que ser queques, e foram; alguns, realmente, já se foram :)

O melhor do mundo seria se todos, neste world baking day, pudessem ter os ingredientes necessários para cozinhar um bolo e saboreá-lo com a alegria que merecem. Ninguém deveria viver sem fogão, sem chocolate, sem alegria. Para afastar a tristeza da realidade, comamos chocolate, de preferência, sem glúten!

 

 

 

Ingredientes:

100 g de chocolate preto

50 g de manteiga líquida vaqueiro

2 ovos

2 gemas

100 g de açúcar moreno sores

miolo de uma vagem de baunilha

50 g de farinha sem gluten*

1 colher (chá) de fermento em pó

açúcar em pó para decoração

 

Preparação:

Derreta o chocolate com a manteiga no micro-ondas, vá mexendo até derreter e deixe arrefecer.

Aqueça o forno a 180 ºC.

Misture os ovos inteiros, gemas, açúcar e o miolo da vagem de baunilha com um batedor de varas até obter uma mistura esbranquiçada. Adicione pouco a pouco o chocolate derretido. Peneire a farinha e o fermento por cima e misture bem.

Coloque nas formas e leve ao forno durante 15-20 minutos. Deixe arrefecer ligeiramente e desenforme, deixe arrefecer. Polvilhe com açúcar em pó e sirva simples ou com gelado de baunilha.

 

*Usei 30 gr de doves farm e 20 gr de Mix B da Schar.

Para um bolo normal use farinha Nacional.

Esta postagem foi patrocinada pela Vaqueiro.

Receita adaptada do livro "Chocolate".

A massa dos bolinhos fica húmida com uma capa ligeiramente crocante por cima.

 

Bom Domingo!

publicado por Ameixinha às 08:00 | link do post | comentar | ver comentários (9) | partilhar
Sexta-feira, 01.11.13

Crumble de maçã

 

 

Não sei o que para vocês é ser-se abençoado. Tenho pensado nisso porque, nos últimos tempos, tenho comentado com amigos que há pessoas que nasceram com o rabiosque virado para a lua. Nasceram e continuam a viver de rabo pró alto :) Há pessoas que é só estalar os dedos e tudo lhes cai no colo. Têm o regaço cheínho de comodidades e não, não são rosas, senhor, não são só rosas! Ele é casas, viagens, empregos, carros, namorados e, last but not the least, beleza. Pensando bem, a beleza é mais aparência já que, a maioria são umas verdadeiras bestas em termos humanos. E eu pergunto: oh porquê, porque é que estas verdadeiras bestas são donas de tanta sorte na vida? E eu sei a resposta. Oh se sei!

Depois, Deus tem uma maneira única e incrível de me mostrar que não estou perdida nem abandonada.

Maria Ameixa, tu que andaste uns meses à procura de uma saia lápis e a semana passada uma amiga chegou ao pé de ti e enfiou-te uma saca na carteira com 2 saias dessas, não serás tu abençoada?

Tu que hoje de manhã, pensaste que tinhas que sair de casa a chover para ir comprar ovos e, de repente, não mais que de repente, a vizinha telefona-te e diz que tem lá uma saca de ovos para ti.

Tu, que ontem encontraste uma pessoa que te disse que a tua mãe tinha muito orgulho em ti, não será isso uma benção?

Tu, que és desprovida da maioria dos objectos materiais pelos quais se empenham as pessoas, mas que diariamente vês as tuas necessidades básicas supridas, és uma sortuda!

Tu que querias fazer um crumble gluten-free mas não encontraste nenhuma receita à tua medida e decidiste ir misturando ingredientes, mesmo cheia de medo e esperança, enfiaste tudo no forno e obteste algo delicioso.

A minha vida pode parecer um crumble por fora, mas bem cá dentro, no fundinho do meu coração, sou a mais abençoada das personagens. Porque com pessoas assim à minha volta, a vida é uma colherada docinha, para sorver aos poucos e ir saboreando prazerosamente.

 

 

Ingredientes:

 

3 maças granny smith

1 colher (chá) de canela moída

1 colher (sopa) de açúcar amarelo

 

30 g de flocos de aveia sem glúten

40 g de amêndoa em lascas

30 g de flocos de quinoa

1 colher (sopa) de farinha de arroz

1 colher (sopa) de açúcar baunilhado

50 g de manteiga

 

Preparação:

Comece por fazer o crumble misturando todos os ingredientes com as mãos, até obter uma mistura tipo areia grossa. Reserve.

Descasque, descaroce e corte as maçãs aos pedacinhos. Envolva a canela e o açúcar nas maçãs e reparta a mistura por três ramequins.

Divida a mistura seca pelos ramequins, colocando-a por cima da mistura de maçã. Polvilhe o açúcar baunilhado por cima e leve ao forno quente por cerca de 35-45 minutos ou até que o topo esteja dourado. Sirva morno ou à temperatura ambiente.

 

 

Tu, Ameixinha, que andas numa guerra pegada com o ecrã do teu micro-mini computador, porque tanto está verde como cor-de-rosa, tiveste a sorte de escrever esta postagem com o ecrã normal. Até ele te dá tréguas quando é mesmo preciso!

Ainda bem que não nasci de rabo virado para a lua, porque com o tempo que está para estes lados, já tinha constipado. De certezinha :)

 

Bom fim de semana ;)

 

 

publicado por Ameixinha às 17:23 | link do post | comentar | ver comentários (27) | partilhar
Quarta-feira, 07.08.13

Manjar de avelã



Prepare o seu coração, para as coisas que eu vou contar, vem-me tudo do coração e pode não lhe agradar :)

Pois é, o blog está meio morto há 2 meses e não, não aconteceu nada de grave. Apenas tivemos uma onda de calor que me matou o Tico e o Teco, os únicos neurónios que ainda iam funcionando em condições; o meu gato desapareceu durante uma semana e veio meio desgraçado; entretanto tive que adaptar a minha dieta sem lactose e sem glúten, e nem todas as receitas ficam "blogáveis"; por isso, fui adiando a actualização do blog.

Mas eis que, do nada, as palavras começaram a viajar-me na cabeça, que está inane, - sim, descobri esta palavra nova e apaixonei-me por ela - despolotada por situações quotidianas que me tiram do sério, e senti necessidade de partilhar as minhas mágoas, angústias e intolerâncias. Agosto é o mês adequado para isso porque, como já disse, não sou fã de sol, nem de praia, nem de estupidezes que é o que mais se vê neste mês tão lindo. Despertou a revolucionária que há em mim e comecei a sentir como que um fogo aceso encerrado nos meus ossos e, nas próximas postagens, pretendo libertá-lo ao mundo. Já escrevi tanta coisa e ainda não "disse" nada. Isto vai ser como as séries que nos prendem a atenção no fim e ficamos ansiosos à espera do próximo capítulo, ou não.

No entanto, eu não me sinto na obrigação de actualizar o blog, até porque cada vez mais há blogs com muita qualidade e eu não sinto que o meu venha acrescentar grande coisa à blogosfera, mas cá estarei, nas minhas verborreias escritas, sempre que uma coisinha má me passar de um hemisfério cerebral para o outro. E não, as minhas estórias não têm importância nenhuma, são tão inanes quanto o cérebro que as cria, mas podem ser divertidas e é isso que as pessoas inanes querem, não é?

Já foram ver que palavra é esta ao dicionário? Inane é aquilo que este manjar não é, garanto ;) Porque para amarga basta a vida, vamos lá adoçar o bico!





Ingredientes:

 

4 folhas de gelatina

120 g de açúcar

50 g de farinha maisena

2 dl de leite de coco

5 dl de leite de soja

100 g de avelã triturada grosseiramente

1 tablete de chocolate

 

 

Preparação:

Salpique a forma com água fria e guarde-a no congelador.

Mergulhe as folhas de gelatina em água fria.

Misture ao açúcar com a farinha maisena e junte o leite de coco, envolvendo bem.

Misture o leite.

Adicione as avelãs trituradas e leve ao lume para espessar. Retire e dissolva as folhas de gelatina escorridas.

Verta a massa na forma e deixe arrefecer antes de colocá-la no frigorífico.

Retire quando estiver firme. Decore com o chocolate derretido em banho-maria, com a ajuda de um cartucho de papel ou saco plástico cortado na

ponta.

 

Notas:

Receita adaptada da revista Segredos de Cozinha nº864

Usei leite de soja e avelãs mas podem substituir por leite de vaca e amêndoa.

 

sinto-me:
música: Disparada - Zizi Possi
publicado por Ameixinha às 21:26 | link do post | comentar | ver comentários (24) | partilhar

mais sobre mim

a possuída moída

Sobrevivo numa selva de hipocrisia, burocracia e cegueira de quem não quer ver. Prefiro não me lembrar da crise de valores que vivemos, mesmo sendo quase impossível esquecer-me disso. Cozinho e como com prazer, mesmo que alguma culpa surja depois. Gosto de andar a pé sozinha, viajar de comboio com um livro na carteira, dizer "Bom dia" com convicção e a sorrir. Ajudar quem precisa é o que me permito fazer sem pensar duas vezes, embora haja muita gente mal-agradecida. Sou adepta da boa disposição, da humanidade e respeito nos serviços de saúde e educação, acredito na capacidade de generosidade e bondade das pessoas que me rodeiam. Entristece-me que, nem sempre, essas capacidades sejam canalizadas quando deveriam. Não gosto das vizinhas coscuvilheiras e de pessoas mal educadas, prepotentes e ocas. Os meus olhos transmitem tudo o resto de mim e são cor da canela. Amo a Fauna e a Flora. Adoro o Outono e as folhas que caem. Não vejo qualquer utilidade em peluches. E a única coisa que é afrodisíaca é o amor.

pesquisar neste blog

 

posts recentes

Posts mais comentados

aqui acontece

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

arquivos

tags

links

subscrever feeds

quantos por cá passaram...