Segunda-feira, 25.04.11

Tiramisu


No livro "The Chocolate and Coffee Bible", de onde eu retirei esta receita, vem a descrição do nome Tiramisu. Diz que o nome desta sobremesa clássica é traduzido para algo como "pick me up" que em português do norte é como quem diz: "Alevanta-me filho que eu a modos que me sinto a desmaiar e estou a ver-me a bater com a testa na bancada da cozinha" :) E continua por dizer que, o nome deriva do facto de a sobremesa ser tão boa, tão boa que faz, literalmente, alguém sentir-se a desmaiar quando a prova.
Não querendo exagerar, até porque nunca desmaiei e ainda não cheguei ao ponto de bater com a testa na bancada, Tiramisu é mesmo um clássico que sabe bem em qualquer altura e que, não levando ovos, fez com que me levasse a prepará-la mais prontamente.

Ingredientes:
225 g de queijo mascarpone
25 g de açúcar em pó
150 ml de café forte, frio
300 ml de natas
45 ml/ 3 colheres (sopa) de licor de café
115 g de palitos la reine
50 g de chocolate negro
cacau em pó, q.b.

Preparação:
Unte uma forma de bolo inglês e forre-a com película aderente.
Coloque o mascarpone e o açúcar numa bacia grande e bata por 1 minuto. Adicione 2 colheres (sopa) do café frio e mexa bem.
Bata as natas com 1 colher (sopa) do licor até obter picos suaves. Adicione uma colher à mistura do mascarpone, envolva e depois vá adicionando o resto.
Deite metade da mistura na forma e alise a superfície.
Coloque o resto do café juntamente com o licor num prato sopeiro e "demolhe" aí metade dos biscoitos (apenas de um lado). Coloque-os por cima da mistura de mascarpone apenas numa camada. Coloque o resto da mistura por cima dos biscoitos e alise a superfície.
Demolhe os restantes biscoitos na mistura de café e arranje-os no topo da forma. Se sobrar algum café, espalhe-o por cima dos últimos biscoitos na forma (não aconselho porque vai ficar demasiado líquido). Cubra o topo da forma com película aderente e leve ao frigorífico por, pelo menos, 4 horas.
Cuidadosamente, vire o tiramisu para uma travessa de servir, retirando a película aderente, e salpique-o com o chocolate raspado e o cacau em pó. Sirva cortando em fatias.

Com esta sugestão participo no passatempo "Alquimia de Ingredientes" da minha amiga Ana do blog Eu Mulher. Se bem se lembram, fez agora dois anos em Abril que algumas blogueiras se encontraram pela primeira vez no Porto, para nos conhecermos e para conhecer o casal brasileiro que estava de visita :)

Fez também um ano em Abril que me deram a conhecer o Algarve pela primeira vez, e que consolidei amizades já feitas e outras que se fizeram a sul e que, por incrível que pareça, permanecem até hoje. A todas, o meu carinho e agradecimento por tão bons momentos ;)
publicado por Ameixinha às 21:40 | link do post | comentar | ver comentários (63) | partilhar
Quarta-feira, 20.10.10

Pudim pegajoso de pêra

Nem sempre é fácil fazer a tradução do nome de uma receita. "Sticky pear pudding" remeteu-me a várias possíveis traduções como: pudim pegajoso de pêra, pudim aderente de pêra, pudim húmido de pêra, e eu cheguei à conclusão que ele é três em um, porque é húmido e adere ou pega-se a nós de tal forma que é impossível esquecermo-nos dele :)
Além do mais, vem do livro "The chocolate and coffee bible" que, por si só, já é sinónimo de resultado delicioso, quer seja pegajoso ou não. Resta-me dizer que ele não é bem um pudim, pelo menos não é daqueles pudins que estamos habituados a comer; mas também não é um bolo, digamos que é something in between. Com tanta indecisão de nome e de categoria, de uma coisa eu tenho certeza: é a cara do Outono ;)

Ingredientes:
30 ml de café moído, por exemplo: aromatizado de avelã (usei café sem aromatizante)
15 ml de água a ferver
50 g de avelãs torradas peladas (usei amêndoa)
4 pêras maduras (usar as mais pequeninas)
sumo de 1/2 laranja
115 g de manteiga amolecida
115 g de açúcar amarelo, mais 1 colher (sopa) para polvilhar
2 ovos, batidos
50 g de farinha para bolos, peneirada
uma pitada de cravinho da índia moído
8 cravinhos da índia (opcional)
45 ml de maple syrup/xarope de ácer

Preparação:
1- Pré-aqueça o forno a 180ºC. Unte uma forma de 20 cm. Coloque o café moído numa chávena e deite a água a ferver por cima. Deixe em infusão por 4 minutos e depois coe (usei café de dissolver, não é preciso coar).
2- Moa as avelãs no moínho do café até ficarem quase em pó. Descasque e descaroce as pêras. Fatie finamente as metades mas sem as cortar totalmente, de modo a que a metade da pêra permaneça inteira, tal como eu apresento na foto acima. Salpique-as com o sumo de laranja.
3- Bata a manteiga com as 115 g de açúcar até obter uma mistura fofa e leve. Gradualmente junte os ovos e envolva a farinha, o cravinho moído, avelãs e o café. Deite na forma e nivele a superfície da massa.
4- Seque as pêras em papel de cozinha e coloque-as em círculo sobre a massa pressionando ligeiramente.
5- Enfie 2 cravinhos da índia em cada metade de pêra, se usar (não pus). Pincele as pêras com os 15 ml de xarope de ácer.
6- Polvilhe as pêras com a colher (sopa) de açúcar. Leve ao forno por 45-50 minutos ou até estar firme.
7- Deixe o bolo arrefecer na forma 10 minutos, depois remova e coloque-o num prato de servir. Pincele novamente com mais um pouco de xarope de ácer antes de servir.

Notas:
O bolo/pudim fica meio caramelizado e, por isso, aconselham a servir morno. No entanto, eu gostei muito dele frio. É pequeno mas perfeito para acompanhar um café a meio da tarde ou mesmo após o almoço.
Com o bolo vem um creme de laranja para acompanhar, que eu não fiz porque não sou fã de natas. Se alguém quiser a receita, envie um e-mail que eu traduzo e passo.

Continuação de boa semana!
publicado por Ameixinha às 21:00 | link do post | comentar | ver comentários (57) | partilhar
Sexta-feira, 05.12.08

Bolo de café e pecãs

Sentem-se e apreciem a viagem que o post vai ser longo :)






A foto não ficou boa mas o bolo vale a pena. Ele fica pequeno e, por isso, é óptimo para servir com um café ou um chá, para quem preferir, e acabar logo com o bolo comendo umas quantas fatias.
Como eu tenho adoração por nozes pecãs eu tive de testar esta receita. Ela pedia como cobertura um glacé de café mas eu achei demasiado forte e não quis tornar o bolo muito pesado. Quem tem verdadeira adoração pelo café, não pode deixar escapar esta receita ;)
Foi retirada do livro "Bolos - Rápidos e saborosos" da Anne Wilson

Ingredientes:
1/4 de chávena* de grãos de café expresso finamente moídos
3/4 de chávena de água a ferver
2 chávenas de farinha de trigo com fermento (usei 1 de farinha normal e 1 de farinha integral)
1/3 de nozes pecãs finamente cortadas
150g de manteiga sem sal (usei com sal)
3/4 de chávena de açúcar amarelo
2 ovos ligeiramente batidos

*Chávena = 240 ml (eu uso a medida da chávena da MFP, no livro corresponde a 250 ml)

Preparação:

1. Aqueça previamente o forno a 180ºC. Unte duas formas de 26x8x4,5 cm (eu usei uma redonda sem buraco) com manteiga ou óleo. Forre a base e os lados do papel. Unte o papel. Misture o café e a água numa tigela pequena. Deixe repousar durante 15 minutos. Coe, reserve o líquido e deixe arrefecer.
2. Peneire a farinha para uma tigela grande. Adicione as nozes pecãs. Faça um buraco no meio.
3. Derreta a manteiga e o açúcar num tacho em lume brando e mexa até o açúcar se dissolver. Retire do lume. Misture os ovos com o café líquido reservado numa tigela pequena.
4. Junte as misturas da manteiga e dos ovos aos ingredientes secos. Usando uma colher de pau, mexa até misturar. Não bata demasiado.
5. Distribua a mistura uniformemente pelas formas/forma. Alise a superfície. Coza durante 35 minutos ou até que um palito saia limpo quando inserido no meio do bolo. Vire sobre uma rede de arame para arrefecer.


Se quiser pode decorar com um glacé de café e nozes pecãs. Para tal deve usar os seguintes ingredientes:

1 chávena de açúcar em pó
1 colher de chá de café em pó instantâneo
10 g de manteiga sem sal
1-2 colheres de sopa de água

Misture o açúcar com o café, a manteiga e o líquido numa tigela pequena à prova de calor para formar uma apsta firme. Coloque a tigela sobre uma panela com água a ferver lentamente e mexa até a cobertura ficar lisa e brilhante. Retire do lume e espalhe a cobertura pelo bolo. Decore com nozes pecãn.
Nota: Pode usar uma colher de sopa de café instantâneo em pó em vez dos grãos moídos.




A Téia queridíssima como sempre, atribuiu-me este selo que prentende homenagear as amizades, mesmo as virtuais :) Temos que passar o desafio e eu vou passar às cinco primeiras blogueiras que comentaram o post anterior. É a maneira mais fácil que tenho de fazer isto e, por acaso, são cinco meninas por quem eu tenho grande estima e amizade! Como eu costumo dizer, só pega no selinho e coloca no blog quem quiser fazê-lo.

Luísa Alexandra

Margarida

Mari Azevedo

Moranguita

Martuxa


E hoje de manhã estava a chegar a casa e dei de caras com a minha carteira. Sacou de uma encomenda e eu perguntei se era para mim. Desconfiada ela disse que não sabia e perguntou: "Canela Moída?" e eu disse "Sim, é para mim!". A senhora deve achar que eu ando mesma metida nalgum negócio obscuro. Tenho nome de código e tudo he he

O que é certo é que eu também fiquei desconfiada com aquilo, normalmente quem me quer enviar alguma coisa pergunta o meu nome verdadeiro. Esta encomenda trazia "Canela Moída, Ameixa Seca" :) De quem seria o embrulho? Só quando vi o remetente é que percebi porque tinha este nome de código he he

Ó Cenourita Maria, mas tu pertences à CIA, FBI, NASA, MIB, PIDE ou quê? Como é que soubeste a minha morada?

A Cláudia M. diz que tu és linda... tu és mais que linda!!! Tu mereces um altar de tanta acção benemérita que fazes :) Qual São Martinho que deu metade da capa ao pobre, tu distribuis caxecóis enquanto chove, cai neve e faz frio. És um espectáculo mulher :) Muito obrigada pelo carinho, pela lembrança e pelas lindas palavras dirigidas à minha pessoa!

Vejam bem a categoria do embrulho. Esta miúda tem muito bom gosto :)
E o postal? O postal é um miau em veludo, atentem no pormenor do veludo para eu passar a mão no "pêlo" do bicho :)
E no meio deste caxecol fabulástico vinha um saquinho aromático que cheira a quê? Canela pois claro! A Cenourita vai ao pormenor do pormenor :) Não são lindos?


O Matias queixa-se que está muito frio e, está-se bem é em cima da cama a dormir junto do sapo :)
Eu vou enfiar o caxecol made in Tasca da Cenourita e enfrentar o frio deste fim de semana :)


Em nome dele, do Luísinho e do Zézinho desejo a todos os visitantes um bom fim de semana e abracinhos :)

tags: ,
publicado por Ameixinha às 15:30 | link do post | comentar | ver comentários (43) | partilhar
Quarta-feira, 06.08.08

Pudim de café



Num dos blogs mais saborosos da net encontrei este pudim de café. A minha mãe disse-me que, há muitos anos, tinha comido um pudim de café delicioso. Mas pediu a receita e foi negada. Que interesse têm as pessoas de não darem uma receita a quem tanto gostou de a comer? Se é suposto não darem qualquer informação de forma a que o cliente volte mais vezes... então muitos têm azar. A minha mãe não voltou a comer desse pudim. Isto até dava um filme do Indiana Jones - À procura da receita de pudim fechado a sete chaves :)

Não entendo e ainda bem que na net consigo encontrar coisas deliciosas e há muitas blogueiras dispostas a partilhar determinadas maravilhas.

Acho que não ficou como o que a minha mãe tinha comido, mas ficou um pudim muito leve, com um delicioso gosto a café, nada doce e isso é mau porque não enjoa e terminamos de o comer muito rápido. O meu não ficou tão lindo porque o café foi mesmo bem diluído, mas ficou muito comestível, para mal dos meus pecados... aiii a gula que me desgraça :)


Ingredientes:

1/2 litro de leite

1 lata de leite condensado

3 collheres (sopa) café solúvel

6 ovos


Misturei o leite condensado com os ovos inteiros.

Aqueci o leite (até começar a ferver) e juntei o café mexendo sempre até este se dissolver. Misturei este leite ao leite condensado e mexi muito bem até ficar um líquido homogéneo. Verti numa forma de pudim (convém ser das médias, das pequenas tive que utilizar duas) barrada com caramelo líquido (usei de compra) e fechei. Levei à panela de pressão (com àgua até 1/3 da forma) e deixei cozer por 10/15 minutos depois de começar a apitar.

Quem não tem panela de pressão ou para quem tem medo dela, podem levar ao forno em banho maria a 180º por 1 hora. E deliciem-se com este pudim maravilhoso :)


E aproveito para vos convidar a participar no desafio literário da Academia das Letras. Como a Cláudia diz: aproveitem porque não se paga jóia nem mensalidade :)

Quem estiver interessado pode contactar-me para ameixinhaseca@gmail.com ou contactar a Cláudia que foi quem teve a ideia :)
publicado por Ameixinha às 16:00 | link do post | comentar | ver comentários (41) | partilhar

mais sobre mim

a possuída moída

Sobrevivo numa selva de hipocrisia, burocracia e cegueira de quem não quer ver. Prefiro não me lembrar da crise de valores que vivemos, mesmo sendo quase impossível esquecer-me disso. Cozinho e como com prazer, mesmo que alguma culpa surja depois. Gosto de andar a pé sozinha, viajar de comboio com um livro na carteira, dizer "Bom dia" com convicção e a sorrir. Ajudar quem precisa é o que me permito fazer sem pensar duas vezes, embora haja muita gente mal-agradecida. Sou adepta da boa disposição, da humanidade e respeito nos serviços de saúde e educação, acredito na capacidade de generosidade e bondade das pessoas que me rodeiam. Entristece-me que, nem sempre, essas capacidades sejam canalizadas quando deveriam. Não gosto das vizinhas coscuvilheiras e de pessoas mal educadas, prepotentes e ocas. Os meus olhos transmitem tudo o resto de mim e são cor da canela. Amo a Fauna e a Flora. Adoro o Outono e as folhas que caem. Não vejo qualquer utilidade em peluches. E a única coisa que é afrodisíaca é o amor.

pesquisar neste blog

 

posts recentes

Posts mais comentados

aqui acontece

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

arquivos

tags

links

subscrever feeds

quantos por cá passaram...