Quinta-feira, 11.12.14

Compota de abóbora com baunilha e limão

Um dia destes apareceu uma vizinha com um pedaço de abóbora na mão. É daquela abóbora amarelinha, um pouco mais doce, daquela que nem toda a gente gosta de colocar na sopa. Sabendo que ando sempre de volta dos tachos, perguntou se tinha sítio para congelar a dita. Mal olhei para ela e vi logo que, parte, ia para uma das minhas compotas favoritas. A vizinha, prontamente arranjou-me mais um pedaço de abóbora. Congelei alguma que tenho usado em sopas e decidi experimentar outra compota de abóbora. As nozes ainda não chegaram cá a casa, não sei se a senhora da nogueira se esqueceu da minha encomenda anual, ou se ainda estão a secar ao sol de inverno; por isso, embuí-me de espírito de aventura e... fiz uma pesquisa no google :)

Apareceu-me algo interessante e eu resolvi adaptar nos ingredientes e na preparação. Primeiro, porque a compota pedia laranja e eu, tendo laranjeiras em casa, mas estando demasiado escuro para ir apanhar uma, resolvi apanhar um limão que estava bem mais perto de mim e da lâmpada ;) Medo!!!

compota de abóbora baunilha.jpg

 

Ingredientes:

1 kg de abóbora limpa e cortada aos pedacinhos

0,5 kg de açúcar para compotas Sidul

1 vagem de baunilha aberta

1 pau de canela

1 casca de limão

1/2 cálice de vinho do Porto

 

Preparação:

Coloque todos os ingredientes na panela de pressão e deixe ferver por 20 minutos. Abra depois de sair todo o vapor, mexa um pouco e deixe terminar de engrossar. Guarde em frascos previamente esterilizados.

Caso prefira o método tradicional, leve o tacho ao lume com os ingredientes, mexendo ocasionalmente, até obter ponto de estrada. Guarde em frascos esterilizados.

publicado por Ameixinha às 21:08 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar
Domingo, 26.02.12

Bolo de abóbora e maçã

 

É uma combinação que ainda não tinha experimentado, apesar de apreciar estes dois ingredientes em separado. Bolo de maçã é, sem dúvida, um dos que mais vou fazendo e coleccionando receitas. A abóbora consegui arranjá-la numa vizinha, uma bela abóbora de um profundo laranja. Depois há todo um relampadejar de especiarias que dá ao bolo um sabor especial.

Ás vezes tenho uma preguiça monstra de pegar na câmara fotográfica, e acabo por fotografar as últimas fatias solitárias que restam no prato. Foi o que aconteceu com este bolo. Felizmente ainda consegui captá-las antes de serem devidamente saboreadas :)

 

 

Ingredientes:

2 chávenas de farinha

1 colher (chá) de fermento

1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio

1/2 colher (chá) de sal

1/2 colher (chá) de canela

1/2 colher (chá) de noz-moscada

1/2 colher (chá) de gengibre

10 colheres (sopa) de manteiga, amolecida (cerca de 150 g)

1 chávena de açúcar

2 ovos

1 chávena de puré de abóbora

2 colheres (chá) extrato de baunilha

2 chávenas de maçã, descascada e cortada aos pedaços

 

Preparação:

Misture os ingredientes secos numa bacia. Pré-aqueça o forno a 180ºC.

Noutra bacia, bata a manteiga com o açúcar. Junte os ovos, um de cada vez, incorporando. Adicione a abóbora e misture. Junte o extrato e mexa. Junte os ingredientes secos, 1/3 de cada vez, mexendo o minímo possível. Adicione as maçãs aos pedaços. Unte uma forma bundt, despeje nela a massa e leve ao forno 45-50 minutos. Retire e deixe arrefecer na forma por 5 minutos. Desenforme e deixe arrefecer completamente. Se quiser poderá polvilhar o bolo com açúcar de confeiteiro.

 

Fonte:

Streaming Gourmet.

 

Extremamente húmido, incrivelmente saboroso!

Bom Domingo.

publicado por Ameixinha às 14:13 | link do post | comentar | ver comentários (36) | partilhar
Segunda-feira, 01.02.10

Compota de abóbora e coco


Não sei se se recordam mas, em 2009 (já ando a ficar fartinha do ano velho!) tinha uma abóbora de uns quantos quilos para usar. Com ela fiz pizza, scones, pão e tarte mas faltava a compota. Em Portugal, é comum a compota de abóbora com nozes mas eu decidi experimentar a compota de abóbora brasileira que leva coco. É esta que vos apresento e garanto que ficou excelente. Fiz duas vezes, uma com cravinho e outra sem. Prefiro a que foi feita com cravinho, até porque deixei apurar muito mais... tanto tanto que até deixei queimar o fundo he he
É que foi feita na panela de pressão e é tão rápido que nem se dá por nada. Num instante, temos compota de abóbora à mesa :)
Baseei-me nas sugestões que vi no The cookie shop e no Rosmarino e Prezzemolo.

Ingredientes:

1 kg de abóbora descascada e cortada em cubos
1/2 kg de açúcar
1 pau de canela
4 cravos da índia
1/2 chávena de coco ralado

Preparação:
Numa panela de pressão, coloque a abóbora, o açúcar, o pau de canela, os cravos e o coco. Tape e leve ao lume médio. Quando começar a ferver, conte 15 minutos e depois desligue (depende das panelas, a minha levou cerca de 25 minutos). Guarde em frascos esterilizados e saboreie um belo doce de abóbora!


Rende cerca de 3 frascos pequenos, fica com uma cor e um aroma espectaculares. É difícil escolher entre a compota feita com nozes e a compota feita com coco. São as duas muito boas. Quem não gostar, pode omitir o cravo da índia. Eu acho que lhe dá um aroma único por isso uso-o mas em menor quantidade, porque pode haver alguém que não goste. Cá em casa, ninguém se queixou. Mas aqui andam sempre cheios de fome :)
publicado por Ameixinha às 00:10 | link do post | comentar | ver comentários (69) | partilhar
Sexta-feira, 18.12.09

Pão de Abóbora

A receita vi-a aqui e, com excesso de abóbora em casa, resolvi testar.
Adaptei à MFP e saiu um pão que ficou com uma consistência bem macia, massa bem aberta, exactamente ao gosto dos fregueses :)

Ingredientes:
1 saqueta de levedura seca (ou 12 g de fermento de padeiro)
1 dl de água (usei 2 dl)
1 colher (café) de sal
1 colher (sobremesa ) de açúcar
200 gr de abóbora
500 gr de farinha (usei 400 g de farinha tipo 65 e 100 g de farinha de centeio)
manteiga e sementes de sésamo q.b. (não usei)

Preparação:
Misture a levedura com o sal e o açúcar e dissolva-a na água morna.
Corte a abóbora em cubos e triture na picadora. Deite a farinha numa tigela, misture-a com a abóbora e abra um buraco no centro. Deite aí a mistura de fermento e amasse tudo com a farinha até obter uma massa elástica que se solte das paredes. Molde em bola, tape a taça com película aderente e leve ao microondas na potência mínima durante 4 ou 6 minutos. Deixe repousar mais 2 minutos e volte a sovar a massa.
Coloque-a dentro de uma forma de bolo inglês, dê-lhe uns golpes na superfície e leve ao microondas mais 2 minutos na potência mínima.
Mude a forma para o forno e deixe cozer por 30 minutos. A meio tempo pincele com manteiga e polvilhe com sementes de sésamo (não fiz isto).

Mal li a receita, achei que era muito passo e muita sova para os meus bracinhos. Tratei de meter tudo na MFP, seleccionei o programa 1 e esperei que ela apitasse :) Resultou!

Para quem me tem perguntado acerca do Matias, cá está ele... a apanhar o quentinho do aquecedor, refastelado a curtir o lar :)
Tem andado bem, hoje de manhã é que teve outro badagaio porque a veterinária tinha-me dito para eu experimentar dar-lhe ração da marca Specific, uma vez que é mais barata. Hoje experimentei dar-lhe e ele ficou logo doente, vomitou e deixou de fazer xixi.
Já chorei este mundo e o outro a pensar que ele estava outra vez doente e a comida não estava a resultar.
Afinal, o gajo diz que é chique e só quer comida fina! Em vez dos donos comerem bacalhau este Natal, vão comer paloco para que sua excelência possa comer ração da Royal Canin he he
Estou a brincar, como é óbvio :)
Ou seja, a Specific está fora de questão, eu tirei-a logo e continuei a dar-lhe Royal e ele já está porreiro. Fez uma mijinha e tudo para mostrar que estava satisfeito!

Há abóboras que se transformam em carruagens, sapos que se transformam em príncipes e gatos que, de quando em quando, viram verdadeiros reis e o banquete tem que ser Royal :)

Bom fim de semana a todos e obrigada pela força!
tags: , ,
publicado por Ameixinha às 17:15 | link do post | comentar | ver comentários (54) | partilhar
Quinta-feira, 10.12.09

Scones de abóbora à Starbucks

Continuando a saga da abóbora e porque fui desafiada pelo Bergamo a fazer scones, já que ele e a Noémia publicaram scones e eu achei que aquilo era um sinal para que eu também os fizesse. E fiz, estão feitos e digeridos!

Como tinha muita abóbora pus-me atenta a receitas que levassem a dita e, na minha ronda pelos blogs, encontrei esta receita que, além de me parecer boa ainda tinha o rótulo da Starbucks. Não podia ser má! Isto foi tudo uma suposição, porque não conheço a Starbucks e nunca comi nem bebi nada de lá, mas tenho lido que os clientes saem satisfeitos :)
Omiti o glacê de açúcar e fiz só o de especiarias. Seria demasiado açúcar para o meu gosto!
Mas fica ao critério de cada um. Vou colocar a receita completa dos scones que, para mim, têm saborzinho de Natal por causa das especiarias usadas.
O meu único problema foi cortar os scones, não entendi muito bem como a blogueira explicou e a minha orientação espacial não é das melhores he he Mas, no final, ficaram melhores do que eu esperava :)

Ingredientes para 12 scones (obtive mais):
2 chávenas de farinha
7 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (sopa) de fermento em pó
1/2 colher (chá) de sal
1/2 colher (chá) canela moída
1/2 colher (chá) noz moscada moída
1/4 colher (chá) cravinho moído
1/4 colher (chá) gengibre moído
6 colheres (sopa) manteiga fria
1/2 chávena de puré de abóbora
3 colheres (sopa) de half-and-half (leite e natas)
1 ovo grande

Glacê de açúcar:
1 chávena + 1 colher (sopa) de açúcar em pó
2 colheres (sopa) de leite desnatado

Glacê de especiarias
1 chávena + 3 colheres (sopa) de açúcar em pó
2 colheres (sopa) de leite desnatado
1/4 colher (chá) de canela moída
1/8 colher (chá) noz moscada
1 pitada de gengibre moído
1 pitada de cravinho moído

Preparação dos scones:
Pré-aqueça o forno a 200 ºC e coloque papel vegetal num tabuleiro (usei película de silicone).
Combine a farinha, açúcar, fermento, sal e especiarias numa tigela. Use um garfo para ir juntando a manteiga aos ingredientes secos, até que a mistura fique "esfarelada" e sem pedaços de manteiga à vista. Reserve.
Noutra tigela, junte a abóbora com o leite e o ovo. Junte estes ingredientes aos secos e forme uma bola com a massa.
Coloque a massa numa superfície enfarinhada e forme um rectângulo com 2,5 cm de altura, três vezes mais longo que largo. Use uma faca ou cortador de pizzas para fatiar a massa duas vezes no sentido da largura, fazendo três porções iguais. Corte cada porção em X (obtendo 4 pedaços de massa) para que termine com 12 fatias triangulares. Coloque no tabuleiro. Leve ao forno por 14-16 minutos. Ponha numa grelha a arrefecer.

Glacê de açúcar (não fiz):
Misture o açúcar com o leite até ficar cremoso. Depois dos scones arrefecerem, use um pincel e espalhe por cima.

Glacê de especiarias:
Combine todos os ingredientes e coloque por cima dos scones, deixando secar antes de servir.

Notas:
Se a massa não der para estender e estiver pegajosa, adicionem farinha suficiente até conseguir moldar.
Tive sempre ideia que os scones seriam duros, mais tipo biscoito. Afinal, ficam bem fofos e no dia seguinte continuam iguais. Muito bons!
Half-and-half refere-se a várias bebidas ou comidas líquidas feitas com igual parte da mistura de duas substâncias. Nos Estados Unidos é uma mistura de uma parte de leite e uma parte de natas. Em bom português traduz-se para metade-metade he he
Para a próxima, vou cortá-los com um cortador de biscoitos redondo. Gosto mais dos redondinhos e sempre não tenho que dar a volta ao miolo a tentar obter triângulos com a massa :)
publicado por Ameixinha às 22:13 | link do post | comentar | ver comentários (60) | partilhar
Terça-feira, 08.12.09

Pizza de abóbora

As fotos não são boas mas esta pizza foi a melhor que já comi até hoje! A minha mãe pediu que a fizesse especificamente para o dia de aniversário dela. Claro que eu já a tinha feito uns dias antes pela primeira vez e a cebola caramelizada em conjunto com a abóbora agridoce, fez um sucesso tal, que fui obrigada a repetir... com muito gosto :)

É uma receita muito simples mas que leva o seu tempo. Para cortar caminho sugiro que façam as cebolas balsâmicas antes e a abóbora também. Ajuda bastante em termos de tempo.

Não tinha esta receita marcada no meu rico livro "Pizza" do mestre John Lanzafame, porque achei que nunca a ia fazer. No livro não tem fotografia para ver o resultado final e abóbora não é produto que tenha sempre em casa.

Sem querer, ao folhear o livro, quando tinha muita abóbora para usar, encontrei a sugestão do mestre no capítulo das pizzas "à minha maneira" e, à maneira do mestre, testei esta pizza.

Estou completamente elucidada, está bem explicado porque é que este senhor é o campeão mundial de pizzas :) Falta-me saber quem tem a ousadia de fazer algo assim, tão diferente, desafiador, fenomenal, delicioso e com muita mestria à mistura! Fica a sugestão :)

Para a massa:
1 colher (chá) de fermento seco
1 colher (chá) de sal
100 ml de água morna
2 colheres (chá) de azeite
160 g de farinha simples, peneirada

Ponha o fermento, o sal e a água morna numa tigela pequena e mexa até os elementos estarem ligados. Vá deitando o azeite gradualmente, à medida que vai mexendo e, depois, deixe repousar num sítio quente durante 10 minutos ou até se começarem a formar bolhas.

Junte a farinha e amasse durante 15 minutos ou até a massa estar lisa e elástica. Pincele o interior de uma tigela grande com azeite, ponha a massa na tigela, tape com um pano limpo e deixe levedar num sítio livre de correntes de ar entre uma a uma hora e meia, ou até a massa ter duplicado de tamanho.

(Quem tiver MFP pode apenas colocar a mistura líquida de fermento na cuba, juntar a farinha, ligar no programa "massa" e deixar até o programa terminar).

Dê uns socos na massa para expulsar algum ar que contém. (Nesta fase a massa pode ser tapada com película aderente e ficar de um dia para o outro no frigorífico ou ser congelada. Deixe voltar à temperatura ambiente antes de continuar).

Ponha a massa num tabuleiro de ir ao forno, forrado com papel vegetal, tape e deixe fora das correntes de ar durante 15 minutos ou até voltar a crescer pelo menos metade do tamanho actual. A massa está pronta a ser usada.

Cebolas balsâmicas:
1 colher (sopa) de azeite
1 cebola castanha, finamente laminada
1 1/2 colheres (sopa) de açúcar amarelo
2 colheres (sopa) de vinagre balsâmico

Aqueça o azeite numa caçarola de fundo pesado num lume forte, junte as cebolas e refogue durante 5 minutos ou até começarem a caramelizar.
Junte o açúcar e mexa até dissolver. Depois junte o vinagre balsâmico, mexa bem e deixe refogar em lume brando durante 6 minutos, ou até a mistura ter uma consistência parecida à dos doces de fruta mas não muito seca.
As cebolas balsâmicas podem guardar-se em recipientes herméticos no frigorífico até 10 dias.

Pizza de abóbora:

3 colheres (sopa) de açúcar amarelo
120 g de abóbora, cortada em cubos de 1 cm
1 mão-cheia pequena de pés de alecrim
1 cabeça de alho, cortada a parte de cima e deitada fora (usei alguns dentes de alho esmagados)
1 courgette cortada, ao comprido, em fatias de 2 mm
azeite para pincelar
farinha de semolina para polvilhar
1 receita de massa simples de pizza (ver acima)
2 colheres (sopa) de pinhões tostados (não usei)
2 colheres (sopa) de salsa de folha lisa, picada
2 colheres (sopa) de cebolas balsâmicas
30 g de queijo Gorgonzola Dolce Latte, esfarelado (ahhh? Não usei!)
75 g de queijo mozzarella, ralado (aumentei para 100 g)

Preparação:

Ponha a pedra da pizza ou tabuleiro de ferro fundido no forno e pré-aqueça a 180º C.
Misture a abóbora, o açúcar amarelo e o alho num tabuleiro de assar e leve ao forno durante 15 minutos, ou até que esteja dourada e tenra.
Disponha as fatias de courgette num tabuleiro de assar numa camada única, pincele com um pouco de azeite e tempere a gosto com sal e pimenta. Asse durante 2 a 3 minutos ou até ficarem tenras.

Aumente a temperatura do forno para 250 ºC.
Polvilhe ligeiramente a superfície de trabalho com semolina e estenda a massa numa circunferência com o diâmetro de 30 cm. Passe-a para o tabuleiro e pique toda a superfície da base com um garfo. Pincele a base com azeite, depois espalhe os pinhões, a salsa e as cebolas balsâmicas. Cubra com as fatias de courgette, a abóbora assada e os queijos e coloque o tabuleiro em cima da pedra ou tabuleiro aquecidos e asse durante 5 a 6 minutos ou até a base estar dourada e estaladiça.

O resultado é este que se vê. O melhor recheio que já provei. O sabor compensa o tempo que se perde à volta da receita :)

Da segunda vez que fiz, aumentei a quantidade de abóbora porque ela diminui no forno.
As courgettes cortei-as mesmo muito fininhas, com um utensílio que é de cortar queijo. Demoram menos de 2 minutos no forno. É preciso ir vigiando.
Esta virou moda cá em casa, até me dá água na boca só de ver as fotos. Há receitas que não nos cativam e, no final, são belas surpresas.

Quero agradecer a uma pessoa muito especial para mim, que partilha a canela comigo e que me deu este livro. Ela é também uma mestra e merece todo o meu reconhecimento. Então, a ti que estás longe e que fazes sentir-te tão perto, um muito obrigada e um grande beijo!

Por falar em longe e perto, apanhem o Trem Bom, vejam as delícias que lá desfilam e votem na vossa favorita. Pode não ser a minha mas votem :)

E agora quem é que se vai atrever a testar esta pizza de mestre? Quantos são? he he Eu aposto em nenhum mas vocês é que perdem ;)
publicado por Ameixinha às 14:00 | link do post | comentar | ver comentários (73) | partilhar
Quinta-feira, 26.11.09

Tarte de abóbora


A famosa Pumpkin Pie que nos entra pela casa através das séries de Tv e dos filmes.
Tinha muita curiosidade em provar e, tendo uma abóbora enorme para usar, resolvi testar a receita que vi aqui. Pedia leite de soja, mas usei o que tenho sempre em casa... leite magro e resultou muito bem. Acho que esta é a sobremesa mais comida na última quinta feira do mês de Novembro :)

Se há feriado que deveria ser assimilado por todas as culturas é o do Dia de Acção de Graças.
Pode parecer que não tenho muito para agradecer, estou numa situação complicada, com os meus dois pais de baixa médica, com o meu gato doente (tive que ir outra vez ao veterinário com ele), partilhas que não se resolvem, amigos e familiares longe, etc e tal! Mas, bem lá no fundo, não me faltam agradecimentos a fazer. Tenho comida, roupa, cama, mantenho os velhos e fiz novos amigos, apesar de tudo temos conseguido ultrapassar as más vibrações, tenho encontrado muita gente má mas também tenho encontrado gente muito boa e, mais importante que tudo, estou viva :)
Aproveito também para agradecer a todas as meninas que votaram no Colchão de noiva. Fiquei em segundo lugar e acho que ganhei um livro. Ainda não sei qual mas, como gosto muito de livros, fiquei contente ;)

Então, celebremos com tarte de abóbora que, apesar de eu não ter colocado muita fé nela, saiu uma bela surpresa. Achei que ninguém ia apreciar e, no fim, todos comeram e repetiram :)

Ingredientes:
3/4 chávena de açúcar
1 1 /4 colher (chá) de canela moída
1/2 colher (chá) de sal
1/4 colher (chá) de gengibre
1/8 colher (chá) de noz moscada
1/8 colher (chá) de cravinho
1 lata de abóbora (usei 400 g de puré de abóbora que fiz em casa)
1 1/4 chávena de leite de soja (usei leite magro)
2 ovos grandes
Massa quebrada* (fiz a minha na MFP)

Preparação:
Numa tigela, misture o açúcar, canela, sal, cravinho, gengibre e a noz-moscada. Adicione a abóbora, leite e ovos. Mexa até estar homogéneo. Ponha a mistura dentro da tarteira forrada de massa quebrada. Coloque no forno a 200ºC por 15 minutos, depois reduza a temperatura para 180ºC e retire quando o centro da tarte estiver cozido (insira uma faca para verificar, se sair limpa, está pronto), cerca de 45 minutos no forno. Coloque numa grade para arrefecer e sirva fria.


*Massa quebrada doce na MFP:
330 g de farinha tipo 55
125 g de manteiga amolecida em cubinhos
100 g de açúcar
50 ml de água

Coloque a farinha, manteiga e o açúcar na máquina e seleccione o programa "massa". Vá adicionando a água e mexa com uma colher de pau nos cantos. Deixe amassar por 15 minutos e retire. Está pronta a usar :) Simples, maleável e muito boa!

Notas:
Retirei a receita da massa quebrada do fórum da amizade.
Esta massa quebrada dá para fazer duas tartes. Assim, aconselho a fazer só metade da receita.
Usei uma forma de tarte de 23 cm de diâmetro mas acho que fica melhor numa forma mais pequena, porque fica mais altinha.
Esta tarte fica bem mole e húmida, mesmo ao meu gosto (esta frase não soa lá muito bem, mas levem-na pró sentido culinário do termo, ok? Não sejam perversas!).

Yellow Pumpkin, estás a ver como eu te dou bom uso? he he
publicado por Ameixinha às 10:33 | link do post | comentar | ver comentários (73) | partilhar
Sexta-feira, 20.11.09

Pão cacto - Kaktusbrot



Felicitações e muitos anos de vida ao Tertúlia de Sabores!!!
Moira, não te piques. Este pão é em tua homenagem :)
É certo que parece que me pico ás vezes, mas juro que não meto prá veia!
Por este pão até atravesso o deserto (estou a delirar, a ter alucinações, mas juro que não snifei nada. Além do mais, não sou eu que ando a fazer tráfico de pó branco!!!), levo com os espinhos e como tudo como se não houvesse amanhã.

O Tertúlia é "como pão para a boca", é o "pão nosso de cada dia", impossível deixar de lá ir! Caso aconteça, até fico de ressaca. É viciante, porque há blogs que são como droga pahhh! Depois não querem que eu diga coisas manhosas! Portanto, quando conheci o blog, tratei de o ver de cima a baixo e, este pão (cliquem para ver como é lindo), bateu-me forte e guardei a receita para fazer. O tempo foi passando e surgiu esta oportunidade para testá-lo. Está feito, provado e aprovado :)
Neste pão, pico-me com muito gosto!



Ingredientes (fiz meia receita, a receita completa está no Tertúlia):
450 g de farinha tipo 65
1,25 dl de leite morno
1,87 dl de água morna
1/2 pacote de fermento para pão
1/2 colher (sopa) de açúcar
1 pitada de sal

leite para pincelar
2 colheres de sopa de pevides de abóbora
2 vasinhos de barro (ainda tive que andar a esfregar o verdete dos meus he he Depois de os lavar em água corrente sem líquido da loiça, mergulhei-os em água a ferver para matar qualquer tipo de germes)

Preparação:
Numa taça, pôr a farinha, fazer um buraco no meio e pôr o fermento, adicionar os líquidos mornos e amassar cerca de 5/10 minutos. Deixe levedar 30 minutos num local aquecido.
Forre 2 vasos de barro com papel vegetal e coloque uma bola de massa grande e depois uma bola de massa pequena por cima. Pincele com leite e espete as sementes/pevides a imitar um cacto.
Leve ao forno por 25 minutos a 220º C.

Se não gostar de meter a mão na massa e tiver a MFP ao pé ou à mão, use-a. É só meter tudo lá dentro, seleccionar o programa "massa"e deixar até ao fim. Depois retire e molde as bolinhas, colocando-as nos vasos.

A massa fica bem aberta e o pão muito fofinho! Feito em forminhas de queques/muffins também deve ficar muito giro a decorar a mesa. Um pãozinho em cima de cada prato e vão achar que estamos em pleno Sahara :)

Só aparece um vaso na foto, porque o outro foi atacado por outro tipo de germes, nós mesmos, habitantes desta casa.
Desculpem as fotos, foi o melhor que consegui!

Bom fim de semana a todos e não se esqueçam que ainda vão a tempo de homenagear o Tertúlia ;)
publicado por Ameixinha às 00:05 | link do post | comentar | ver comentários (71) | partilhar

mais sobre mim

a possuída moída

Sobrevivo numa selva de hipocrisia, burocracia e cegueira de quem não quer ver. Prefiro não me lembrar da crise de valores que vivemos, mesmo sendo quase impossível esquecer-me disso. Cozinho e como com prazer, mesmo que alguma culpa surja depois. Gosto de andar a pé sozinha, viajar de comboio com um livro na carteira, dizer "Bom dia" com convicção e a sorrir. Ajudar quem precisa é o que me permito fazer sem pensar duas vezes, embora haja muita gente mal-agradecida. Sou adepta da boa disposição, da humanidade e respeito nos serviços de saúde e educação, acredito na capacidade de generosidade e bondade das pessoas que me rodeiam. Entristece-me que, nem sempre, essas capacidades sejam canalizadas quando deveriam. Não gosto das vizinhas coscuvilheiras e de pessoas mal educadas, prepotentes e ocas. Os meus olhos transmitem tudo o resto de mim e são cor da canela. Amo a Fauna e a Flora. Adoro o Outono e as folhas que caem. Não vejo qualquer utilidade em peluches. E a única coisa que é afrodisíaca é o amor.

pesquisar neste blog

 

posts recentes

Posts mais comentados

aqui acontece

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

arquivos

tags

links

subscrever feeds

quantos por cá passaram...