Quarta-feira, 18.02.15

Do amor... aos biscoitos!

Amor é chocolate, e comida, e fogão, e quentura, e abraços! Amor é aquilo que nos satisfaz, satisfazendo outros. E alimentar outros - mesmo que esses outros sejam nós mesmos - é amor!

Amor não são sombras nem pedaços, é inteireza e constância. Amor é o que permanece quando o que foi, já não existe mais. É a memória, mesmo quando já nem nos lembramos do que fomos e do que o outro foi para nós.

Amor não tem dias, nem horas, tem vidas e humanidade. É cuidar, acreditar, persistir, insistir, remir, mas nunca, jamais, desistir. Não são objectos nem ilusões, são verdades e osmoses.

Amor não será, em tempo algum, promessas. Amor é um compromisso! De duas vidas, para a vida! São dois num só.

O amor está em vias de extinção, mas eu hei-de amarrar-me à esperança de quem quer - e vai - encontrá-lo na mais pequena partícula de pó. Até lá, como biscoitos

amêndoa e chocolate.jpg

Biscoitos de aveia, amêndoa e chocolate (Meaningful eats)

 

2/3 chávena de aveia sem gluten

1 colher (chá) de bicarbonato

1/2 colher (chá) de sal

1 colher (chá) de canela moída

1 chávena de manteiga de amêndoa myprotein

2/3 chávena de açúcar amarelo

2 ovos grandes

2 colheres (chá) de extracto de baunilha

2/3 chávena de pepitas de chocolate (nestlé)

 

Pré-aqueça o forno a 180ºC. Prepare dois tabuleiros com papel vegetal.

Junte a aveia, bicarbonato, sal e canela. Reserve.

Bata a manteiga de amêndoa com o açúcar, ovos e baunilha por cerca de 2 minutos.

Adicione a mistura de aveia e envolva as pepitas de chocolate.

Forme bolas do tamanho de nozes e coloque nos tabuleiros de forma espaçada. Leve ao forno por cerca de 10 minutos. Deixe arrefecer no tabuleiro durante 2 minutos e, depois, transfira para uma grade para arrefecer totalmente.

Guarde numa caixa hermética.

amêndoa choc.jpg

 Rende cerca de 18 biscoitos.

 Quem viu "still alice" há-de compreender este post

publicado por Ameixinha às 18:20 | link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar
Segunda-feira, 02.02.15

Biscoitos

Passou-se um mês desde o início deste novo ano e já tanta desgraça aconteceu. A minha mãe partiu um elo da coluna, o Matias foi internado com uma obstrução urinária, eu fui aconselhada a fazer hidroginástica, porque adormecem-me os dois braços quando durmo na posição fetal. É suposto toda eu adormecer e não sentir nada, mas sinto que tenho os braços a dormir e, isso, não é nada confortável.

Entretanto, decidi experimentar a osteopatia. Sou completamente adepta de tudo que não seja engolir químicos e, à falta de dinheiro para hidroginástica, consultei uma osteopata amiga que me disse que o meu problema era muscular. Deu-me uma coça como se não houvesse amanhã, revirou-me para um lado e para o outro, torceu-me todinha e, não satisfeita, estalou-me os ossinhos todos. Resumindo: sou quase de elástico, porque voltou tudo ao seu sítio correcto. Estou viva mas, continuo meia dormente. Habituei-me a dormir de barriga para cima e vou revirando para um lado e para o outro até que os braços dão sinal de fraqueza. Provavelmente é mesmo a coluna a dar de si, mas não posso deixar de carregar o que é preciso. Ainda a semana passada carreguei às costas o Matias dentro da transportadora dele. Uma caminhada de mais de 4 km que eu já sabia que ia custar caro. Tenho contracturas musculares até à pontinha do dedos, mas isso é de fazer uma carrada de biscoitos todas as semanas. É uma forma de ganhar uns trocos para comprar farinhas sem glúten e pagar veterinário :) Depois, há biscoitos para consumo próprio, sem glúten, sem lactose, porque também preciso de comer e de acompanhar o café com alguma coisinha.

 

2 fev 009.jpg

Ingredientes:

1 chávena de farinha de arroz

1/2 chávena de farinha de milho

1 chávena de amido de milho

1/2 chávena de fécula de batata

1 colher (chá) de fermento

1/2 chávena de açúcar Sidul

70 g de Vaqueiro líquida

1 ovo

 

Preparação:

Misture a vaqueiro com o açúcar, adicione o ovo e mexa. Junte as farinhas e o fermento e misture até ficar homogéneo.

Humedeça a mão e faça bolinhas. Coloque-as em tabuleiro untado ou forrado com papel vegetal, achate-as com um garfo e leve a forno pré-aquecido a 180ºC até que dourem nas bordas. Deixe arrefecer e guarde num recipiente hermético.

 

Baseada nesta receita.

publicado por Ameixinha às 14:08 | link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

mais sobre mim

a possuída moída

Sobrevivo numa selva de hipocrisia, burocracia e cegueira de quem não quer ver. Prefiro não me lembrar da crise de valores que vivemos, mesmo sendo quase impossível esquecer-me disso. Cozinho e como com prazer, mesmo que alguma culpa surja depois. Gosto de andar a pé sozinha, viajar de comboio com um livro na carteira, dizer "Bom dia" com convicção e a sorrir. Ajudar quem precisa é o que me permito fazer sem pensar duas vezes, embora haja muita gente mal-agradecida. Sou adepta da boa disposição, da humanidade e respeito nos serviços de saúde e educação, acredito na capacidade de generosidade e bondade das pessoas que me rodeiam. Entristece-me que, nem sempre, essas capacidades sejam canalizadas quando deveriam. Não gosto das vizinhas coscuvilheiras e de pessoas mal educadas, prepotentes e ocas. Os meus olhos transmitem tudo o resto de mim e são cor da canela. Amo a Fauna e a Flora. Adoro o Outono e as folhas que caem. Não vejo qualquer utilidade em peluches. E a única coisa que é afrodisíaca é o amor.

pesquisar neste blog

 

posts recentes

Posts mais comentados

aqui acontece

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

arquivos

tags

links

subscrever feeds

quantos por cá passaram...