Quarta-feira, 27.03.13

Bolo de banana da Tessa



Um destes dias riram-se de mim por eu estar a jantar enquanto via os desenhos animados na rtp2. Defendi-me dizendo que nos outros canais, à hora do jantar, só se ouvem desgraças. Hoje resolvi dar nova oportunidade à informação, mas entre o marido abusador que matou a mulher grávida, entre a troika e entre a primeiríssima entrevista que o Sócrates - não é o filósofo, é o armado ao pingarelho - vai dar, eu prefiro mil vezes ver o Gaspar e Lisa. Mon dieu de la France, o mundo lá fora é uma catastrophe, porque não hei-de eu preferir jantar sossegada no mundo maravilhoso de dois cães antropomórficos? Eu sei que a relação entre os dois é um bocadinho manhosa. Afinal um cão e uma cadela tão amigos, um dia hão-de acabar aos amassos ou a cheirar o rabo um ao outro e eis que, de repente, têm a seu cargo uma ninhada :) Resta-me esperar que o Gaspar não seja um banana e trate a sua amiguinha com o respeito e carinho que ela merece senão... viram notícia num canal noticiário porque o Gaspar, vítima dos tempos críticos, resolveu descarregar a sua frustração na Lisa e ela acabou num ganido só.

Ai, o mundo lá fora está uma verdadeira feijoada, é por isso que eu continuo nos doces :)

 

Banana bread (ligeiramente adaptado do livro Apples for jam):

 

125 g manteiga

180 g de açúcar amarelo

350 g de bananas maduras, esmagadas

2 ovos

1 colher (chá) de extracto de baunilha

1 colher (chá) de canela moída

250 g de farinha

1 colher (chá) fermento

3/4 colher (chá) de bicarbonato de soda

3 colheres (sopa) leite morno

 

Preparação:

Pré-aqueça o forno a 180ºC e unte uma forma de bolo inglês.

Bata a manteiga com o açúcar até ficar cremoso e junte as bananas. Adicione os ovos, baunilha, canela e mexa bem.

Peneira a farinha e fermento, adicione à mistura anterior e bata até ficar suave. Envolva o bicarbonato ao leite e junte à mistura.

Coloque na forma e leve ao forno por 50 minutos ou até que um palito saia limpo do centro do bolo. Coloque numa grelha para arrefecer. Sirva morno ou frio, simples ou torrado com manteiga, mas deixe arrefecer completamente antes de o guardar num recipiente hermético, onde se pode manter bem durante muitos dias.

 

 

Notas:

Usei planta de soja e leite de soja para ter um bolo livre de lactose.

Pode adicionar nozes ou avelãs aos pedaços ao bolo.

Quanto mais maduras as bananas, mais doce o bolo fica. A consistência é bastante húmida.

 

publicado por Ameixinha às 21:45 | link do post | comentar | ver comentários (25) | partilhar
Quinta-feira, 14.03.13

De repente, um poema e um bolo





Poderia escolher Pessoa

Até mesmo Florbela Espanca

Poesia é mais que boa

Temos sorte em ter tanta.

 

Baudelaire estava à mão

E poesias de Júlio Diniz,

Mas há algo na Separação

E na forma como se diz.

 

Não precisei procurar mais

Para um poema convidar

De Vinicius de Moraes

Trouxe um soneto a jantar.

 

Em jeito de sobremesa

Fazendo juz à doçaria

Um bolo com uma surpresa

Cerejas em cada fatia.

 

 

Soneto da separação:

 

De repente do riso fez-se o pranto

silencioso e branco como a bruma

E das bocas unidas fez-se espuma

E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

 

De repente da calma fez-se o vento

Que dos olhos desfez a última chama

E da paixão fez-se o pressentimento

E do momento imóvel fez-se o drama

 

De repente, não mais que de repente

Fez-se de triste o que se fez amante

E de sozinho o que se fez contente

 

Fez-se do amigo próximo o distante

Fez-se da vida uma aventura errante

De repente, não mais que de repente.

 

 

Bolo de amêndoa e cereja (Boa mesa)

 

150 g de manteiga amolecida

3/4 chávena de leite

3 ovos

1 chávena de açúcar

1/2 chávena de amêndoas raladas

1 1/2 chávena de farinha

3 colheres (chá) de fermento em pó

1/2 chávena de cerejas cristalizadas picadas

 

Preparação:

Ponha a manteiga, o leite, os ovos, o açúcar e as amêndoas na batedeira. Adicione a farinha e fermento peneirados. Bata em velocidade reduzida durante 1 minuto. Raspe a massa que ficou agarrada aos lados da taça e aumente para a velocidade média. Bata durante mais 4 minutos. Envolva as cerejas na massa. Coloque numa forma ondulada bem untada. Leve ao forno a 160º C durante 1 hora, ou até o bolo estar cozido. Deixe na forma durante 10 minutos antes de desenformar para uma rede, para arrefecer.

 

 

Com este soneto participo no projecto Convidei para jantar, uma ideia da Anasbageri, este mês alojado no Come chocolates, pequena.

 

A fruta cristalizada

Nunca foi minha opção

As cerejas surgiram do nada

E do escárnio fez-se paixão

 

É assim a ligação

Entre soneto e bolo

Com uma fatia na mão

Só não come quem é tolo.

publicado por Ameixinha às 22:55 | link do post | comentar | ver comentários (22) | partilhar
Domingo, 03.03.13

Carne de vaca com ervas

 

 

 

Nada a declarar!

Fim de semana no fim.

Comer e descansar,

Domingo é mesmo assim.

 

Bom fim de semana :)

 


Ingredientes:

1 kg de carne de vaca

100 g de bacon

4 cenouras, partidas às rodelas grossas

1 cebola grande, picada

200 g de cogumelos

400 ml de caldo de carne

polpa de tomate q.b

2 dentes de alho

1 colher de chá de tomilho seco

1 colher de chá de alecrim seco

1/2 colher de chá de manjerona seca

1/4 colher de chá de sálvia seca

1/4 colher de chá de alho e jindungo

 

Preparação:

Corte a carne aos pedaços grandes e leve a cozer na panela de pressão com uma pitada de sal e o alho e jindungo, por cerca de 20 minutos.

Num tacho refogue a cebola e os alhos picados com um pouco de azeite, junte o bacon, a cenoura, o tomilho e o alecrim. Deixe alourar por 5 minutos. Retire e reserve. Junte os pedaços de carne de vaca ao tacho e os 400 ml de caldo em que a carne cozeu. Deixe refogar por cerca de 10 minutos, junte os cogumelos, a polpa de tomate, a misture de cenouras e bacon e os restantes temperos. Deixe apurar, retifique os temperos e sirva imediatamente com couscous ou arroz branco.

 

Baseada numa receita Margão usando um dos seus Kits de especiarias e, admito, que valeu mesmo a pena, mesmo para mim que não sou grande fã de carne de vaca.

publicado por Ameixinha às 15:37 | link do post | comentar | ver comentários (13) | partilhar

mais sobre mim

a possuída moída

Sobrevivo numa selva de hipocrisia, burocracia e cegueira de quem não quer ver. Prefiro não me lembrar da crise de valores que vivemos, mesmo sendo quase impossível esquecer-me disso. Cozinho e como com prazer, mesmo que alguma culpa surja depois. Gosto de andar a pé sozinha, viajar de comboio com um livro na carteira, dizer "Bom dia" com convicção e a sorrir. Ajudar quem precisa é o que me permito fazer sem pensar duas vezes, embora haja muita gente mal-agradecida. Sou adepta da boa disposição, da humanidade e respeito nos serviços de saúde e educação, acredito na capacidade de generosidade e bondade das pessoas que me rodeiam. Entristece-me que, nem sempre, essas capacidades sejam canalizadas quando deveriam. Não gosto das vizinhas coscuvilheiras e de pessoas mal educadas, prepotentes e ocas. Os meus olhos transmitem tudo o resto de mim e são cor da canela. Amo a Fauna e a Flora. Adoro o Outono e as folhas que caem. Não vejo qualquer utilidade em peluches. E a única coisa que é afrodisíaca é o amor.

pesquisar neste blog

 

posts recentes

Posts mais comentados

aqui acontece

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

arquivos

tags

links

subscrever feeds

quantos por cá passaram...