Segunda-feira, 30.07.12

Tarte de acelga


 

Mais uma do Mark Bittman, porque é simples, leve, bonita e vegetariana. Perfeita para servir à temperatura ambiente como prato principal ou como aperitivo. Além disso, é versátil; podem usar espinafres, couve-flor, brócolos, repolho, couve, e cogumelos.

 

Ingredientes:

2 colheres (sopa) de manteiga

8 folhas grandes de acelga ou couve, finamente fatiada

1 cebola média, picada

sal e pimenta

1/4 chávena de ervas picadas como salsa, tomilho, cebolinho e cerefólio (usei salsa e tomilho puro sal Ervas da Zoé)

6 ovos

1 chávena de iogurte natural 

3 colheres (sopa) de maionese

1/" colher (chá) de fermento

1 1/4 chávena de farinha (usei 1 chávena de farinha 55 e 1/4 de farinha integral)

 

Preparação:

Pré-aqueça o forno a 180ºC. Coloque a manteiga numa frigideira sobre lume médio. Um minuto depois, junte as acelgas e a cebola. Tempere com sal e pimenta e cozinhe, mexendo ocasionalmente, até que as folhas fiquem tenras, cerca de 10 minutos. Remova, adicione as ervas, prove e ajuste os temperos. 

Entretanto, coza 3 dos ovos, tire a casca e corte-os. Adicione à mistura de acelga e deixe arrefecer enquanto faz a massa.

Misture o iogurte, maionese e os restantes ovos. Adicione o fermento e a farinha e envolva até ficar suave. Unte uma assadeira em cerâmica ou vidro. Espalhe metade da massa no fundo, por cima coloque a mistura de acelga e cubra com a restante massa. 

Leve ao forno por 45 minutos até que fique dourada. Deixe arrefecer por 15 minutos antes de cortar em quadrados ou rectângulos. Coma morno ou à temperatura ambiente.

 

Receita do livro "How to cook everything vegetarian" do Mark Bittman.

 

Boa semana a todos :)

publicado por Ameixinha às 23:06 | link do post | comentar | ver comentários (19) | partilhar
Terça-feira, 24.07.12

Queijadas de cenoura

 

 

Serão realmente queijadas se não levam queijo? Não me parece, mas isso também não interessa nada. São boas e, apesar de ter alguns passos eu achei a receita bastante fácil de fazer. Forrar as forminhas é a parte mais chata do processo e podem fazer as queijadas sem a massa. Eu assei algumas assim porque, entretanto, a massa não chegou para tanto recheio. 

Sei bem que os dias têm andado quentes e abafados e não apetece nada ligar o fogão mas hoje amanheceu nublado por aqui e achei que umas queijadas de cenoura polvilhadas de canela, combinavam bem com este dia :) 

 

 

Ingredientes da massa:

250 g de farinha 1 colher (sopa) de óleo

1 colher (sopa) de vinagre

uma pitada de sal

água q.b.

 

Ingredientes do recheio:

375 g de açúcar

1,75 dl de água

85 g de manteiga

40 g de farinha

25 g de maisena

200 g de cenouras cozidas e trituradas

5 ovos

3 gemas

raspa de 1 limão

manteiga e açúcar em pó q.b.

 

Preparação:

Coloque a farinha numa tigela e adicione o óleo, vinagre e sal. Amasse bem e vá juntando água até obter uma massa macia e maleável. Deixe repousar por 15 minutos.

Entretanto, misture o açúcar com a água e leve ao lume. Adicione a manteiga e deixe arrefecer um pouco. 

Junte a farinha com a maisena e a cenoura triturada. Misture-lhes os ovos, as gemas, a calda de açúcar e a raspa de limão. Ligue o forno a 200ºC.

Unte forminhas com manteiga (ou óleo em spray), forre-as com a massa e apare as extremidades. Preencha-as com o preparado e polvilhe com açúcar em pó. Leve-as ao forno, durante 30 minutos. Desenforme ainda mornas e sirva.

 

Notas:

Receita da coleção "Alimentos com história".

Diminuí a quantidade de açúcar para 300 g.

 

Boa semana!

publicado por Ameixinha às 09:01 | link do post | comentar | ver comentários (22) | partilhar
Segunda-feira, 16.07.12

Onde há churrasco, há fogo!

Bem vindo à minha caverna. Desculpa não ter avisado que agora há uma coisa chamada campaínha. Esquece o vidro da porta, mandamos colocar outro já amanhã. Essa maçaroca faz grandes estragos, hein? Podes deixá-la atrás da porta enquanto jantamos.

Sim, as barriguinhas estão a grelhar numa geringonça electrica, modernidades! Não te preocupes que o fogo continua a revolucionar as nossas vidas. As batatinhas a murro estão no forno a lenha. A única diferença é que agora escusamos de esfregar pauzinhos e bufar às palhinhas :) Temos coisas que se chamam fósforos e acendalhas, facilitam bastante. Por falar em facilitar, importas-te de dar umas murraças ligeiras às batatas? És capaz de ter mais força que eu, e eu ía retirando a pele aos pimentos, pode ser? Mas cuidado, força moderada senão ainda acabamos a comer puré, ok?

Ahh, esse é o meu animal de estimação. Podes pousá-lo e tirar o cavalinho da chuva, esse não é para comer. Não te preocupes que não vai faltar comida e bem saborosa. Agora usamos um ingrediente muito precioso, o sal. Dá um sabor fantástico a tudo, vais ver!

A mesa já está posta, usamos garfo e faca pra comer mas, como é uma espécie de churrasco e não quero que te sintas como um peixe fora de água, podes usar as mãos :) Continuo a achar que alguma comida continua a saber melhor se metermos o dedo no assunto. Se calhar posso é dar-te um elástico pró cabelo, podes fazer um rabo de cavalo, assim vejo-te melhor os olhinhos e não corres o risco de encontrar um cabelo na comida :) Quanto à barba não posso fazer grande coisa, tenho medo de te enfiar uma lámina na mão e ter que acabar por chamar o INEM. É melhor mantermos toda a tua essência, já basta a mudança de milénios. Tanta coisa nova pra ver e explorar, não é? Olha, vou ligar um bocadinho o rádio para descontraíres um pouco. Ainda é muito cedo para te explicar acerca da caixa mágica que mudou o mundo. Há coisas que ainda não deves ser capaz de assimilar. Fica para uma próxima. 

Por agora vamos sentar e provar esta bela carne de porco. Os pimentos são um pouco indigestos à noite mas deves estar habituado a comer coisinhas piores, não vai ser desta que te vai parar a digestão, certo? Além disso, temos uma água porreira com bolhinhas dentro - não me perguntes como colocaram lá as bolhinhas, há coisas que também me ultrapassam - que é um mimo para arrotar depois de uma farta refeição.

Está bom? Parece que sim, pela maneira como engoles quase sem mastigar :) Ainda bem, fico mais contente. Pronto, se não achares piada ao verde da alface, deixa ficar. Mas prova lá o chouriço crioulo que é uma maravilha!

Fiz uma sobremesa simples, com fruta da época e aposto que conheces alguns destes bagos. Não te quis apresentar ao chocolate agora, nem ao açúcar porque temi que ficasses tão excitado que me desses uma paulada na cabeça e me levasses pelos cabelos até à tua caverna. As paixões fulminantes assustam-me um bocadinho e, escrava por escrava, prefiro ser escrava nesta época em que, pelo menos, vamos tendo algumas condições :)

Está tarde, não é? Pois, sei que ainda tens que andar um bocadinho. Compreendo que ainda não queiras andar de táxi, o trânsito é assustador e acho que o homem que inventou a roda é que ia apreciar a viagem. Devolvo-te a maçaroca e entrego-te esta tocha. O mundo lá fora continua a mesma selva de sempre, nunca é demais estarmos preparados para o que der e vier. Até te dizia para me dares um toque pró telemóvel quando chegasses à tua gruta mas sei que ainda não chegaste a esse nível. Deixa lá, acende uma fogueira e envia-me uns sinais de fumo, pode ser?

Espero que tenhas gostado e desculpa se falo pelos cotovelos, mas tu também não sabes fazer outra coisa senão grunhir! Vai sossegadito e não pares pra rugir com ninguém, olha que nos tempos que correm não merecem a nossa confiança! 

Força nisso e até ao próximo degelo ;)

 

Salada de fruta colorida:

ameixas vermelhas

framboesas

pêssegos

uvas

morangos

sumo de 1 laranja

1 colher (sopa) de açúcar

 

É só misturar tudo e servir.

 

Notas:

Receita baseada na salada de fruta colorida da Tessa Kiros.

A mente brilhante que convidei para jantar é um anónimo cuja ideia brilhou mesmo, inventou o fogo. 

 

Boa semana a todos! 

 

 

 

 

tags: ,
publicado por Ameixinha às 13:11 | link do post | comentar | ver comentários (24) | partilhar
Domingo, 08.07.12

Bacalhau à Gomes de Sá


Das 1001 receitas de bacalhau, esta é uma das que os portugueses mais fazem e mais gostam. Não sendo o meu favorito, de vez em quando fazemos cá em casa porque é apreciado pelos outros membros. Felizmente não tem feito muito calor, está um Verão com cara de Primavera e eu gosto disso. Sabem bem umas refeições quentinhas e substanciais, uma bela travessa de bacalhau à Gomes de Sá do livro "Cozinha Tradicional Portuguesa".

 

Ingredientes:

500 g de bacalhau

500 g de batatas

1,5 dl de azeite

1 dente de alho

2 cebolas

2 ovos cozidos

azeitonas pretas

salsa

sal e pimenta

 

Preparação:

Demolha-se o bacalhau, coloca-se num tacho e escalda-se com água a ferver. Tapa-se e deixa-se repousar durante 20 minutos.

Escorre-se o bacalhau, retiram-se as espinhas e peles e desfaz-se em lascas.

Entretanto, cortam-se as cebolas e o alho às rodelas e levam-se a alourar ligeiramente com o azeite. Juntam-se as batatas, que se cozeram com a pele, se pelaram e se cortaram às rodelas. Junta-se o bacalhau. Mexe-se tudo ligeiramente, mas sem deixar refogar. Tempera-se com sal e pimenta. Deita-se imediatamente num tabuleiro de barro ou travessa de cerâmica e leva-se a forno bem quente durante 10 minutos. Serve-se polvilhado de salsa picada e enfeita-se com rodelas de ovo cozido e azeitonas pretas.

 

Bom início de semana a todos!

tags:
publicado por Ameixinha às 23:05 | link do post | comentar | ver comentários (22) | partilhar
Segunda-feira, 02.07.12

Tarte de abacaxi


Mark Bittman tem sido uma das mais agradáveis companhias dos últimos tempos. Esta tarte é completamente despretensiosa mas, como em quase tudo, a simplicidade ganhou. A base caseira - receita do Bittman também - é rápida de fazer e resulta na perfeição. Pra quê complicar quando podemos obter uma sobremesa fantástica com o minímo de ingredientes e de trabalho?

Podem usar a fruta, ou combinação de frutas, que mais gostarem. Fruta da época parece-me a escolha perfeita :) 

 

Ingredientes:

1 abacaxi, descascado e descaroçado

1 chávena de açúcar amarelo

1 receita de base para tarte doce*

 

Preparação:

Corte o abacaxi ao meio e depois parta-o em pedaços de 1,5 cm. Coloque a fruta juntamente com o açúcar, mexa para envolver e deixe macerar à temperatura ambiente por 1 hora, no minímo, ou cubra e refrigere por 4 horas.

Estenda a base da massa na tarteira, coloque papel de alumínio por cima com feijões (ou pesos próprios), e leve ao forno até que a base esteja assente mas não dourada. Deixe a base arrefecer.

Coe o abacaxi por 10 minutos, reservando o sumo. Coloque os pedaços de fruta na base e pressione gentilmente. Leve ao forno a 180ºC até que a base fique firme e a fruta tenha caramelizado e amolecido, cerca de uma hora e meia.

Enquanto a tarte assa, coloque o sumo numa caçarola, leve-o a lume médio e deixe ferver, mexendo ocasionalmente, até que fique reduzido a um xarope espesso, cerca de 15 minutos. Deixe arrefecer e sirva com a tarte.

 

 

*Receita:

1 1/4 de farinha

1/2 colher (chá) de sal

2 colheres (sopa) de açúcar

150 g de manteiga fria, cortada aos pedaços

1 gema de ovo

3 colheres (sopa) de água gelada ou mais, se necessário

 

Combine a farinha, sal e açúcar num processador e pulse uma ou duas vezes. Adicione a manteiga e processe até obter uma mistura uniforme, cerca de 10 segundos. Adicione a gema e processe novamente por mais alguns segundos.

Coloque a mistura numa tigela e adicione a água, mexa com as mãos até conseguir formar uma bola. Embrulhe em película aderente e congele por 10 minutos ou refrigere por, pelo menos, 30 minutos.

Salpique a bancada com farinha e estenda a massa com o rolo, adicionando farinha se achar necessário. Transfira a massa para a tarteira e pressione-a ligeiramente. Use uma faca para cortar o excesso. Refrigere por cerca de 1 hora antes de rechear.

 

Notas:

Receita retirada do livro "How to cook everything vegetarian".

Embora tenha feito o xarope, acabei por não acompanhar a tarte com ele, achei desnecessário porque iria ficar demasiado doce para o nosso gosto.

 

Boa semana a todos!

tags: ,
publicado por Ameixinha às 22:35 | link do post | comentar | ver comentários (24) | partilhar

mais sobre mim

a possuída moída

Sobrevivo numa selva de hipocrisia, burocracia e cegueira de quem não quer ver. Prefiro não me lembrar da crise de valores que vivemos, mesmo sendo quase impossível esquecer-me disso. Cozinho e como com prazer, mesmo que alguma culpa surja depois. Gosto de andar a pé sozinha, viajar de comboio com um livro na carteira, dizer "Bom dia" com convicção e a sorrir. Ajudar quem precisa é o que me permito fazer sem pensar duas vezes, embora haja muita gente mal-agradecida. Sou adepta da boa disposição, da humanidade e respeito nos serviços de saúde e educação, acredito na capacidade de generosidade e bondade das pessoas que me rodeiam. Entristece-me que, nem sempre, essas capacidades sejam canalizadas quando deveriam. Não gosto das vizinhas coscuvilheiras e de pessoas mal educadas, prepotentes e ocas. Os meus olhos transmitem tudo o resto de mim e são cor da canela. Amo a Fauna e a Flora. Adoro o Outono e as folhas que caem. Não vejo qualquer utilidade em peluches. E a única coisa que é afrodisíaca é o amor.

pesquisar neste blog

 

posts recentes

Posts mais comentados

aqui acontece

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

arquivos

tags

links

subscrever feeds

quantos por cá passaram...