Quarta-feira, 29.12.10

Panquecas de canela

A minha amiga algarvia recebe muito bem, é uma excelente anfitriã, apesar de não ter cumprido com as waffles ou as panquecas :) Mas ela está tão, ó tão perdoada, que eu até lhe presto homenagem por fazer estas panquecas de canela que vi no Figo Lampo. Sim, são aquelas panquecas que ela disse que seriam as que me receberiam, caso eu fosse lanchar às terras do Sul.
Espero voltar em breve, não pelas panquecas porque o melhor é não acreditar muito nessas promessas, mas porque ela recebe de sorriso e braços abertos; também sei que se precisar de chegar ao comboio rapidinho... ela vai prego a fundo e sem praguejar ;)

Ingredientes:
140 gr de farinha de trigo
1 colher (chá) de fermento em pó
1/4 colher (chá) de sal
1 colher (sopa) de açúcar
1 colher (sopa) rasa de canela moída
240 ml de leite
1 ovo
1 colher (sopa) de óleo

Preparação:
Peneire a farinha e o fermento numa tigela, junte a canela, o sal e o açúcar.
Noutra tigela misture bem o ovo, o leite e o óleo. Despeje os ingredientes líquidos nos secos e envolva bem.
Aqueça uma frigideira anti-aderente em lume baixo. Despeje porções da massa na frigideira (uso uma medida de 1/4 de chávena) e deixe fritar. Quando a superfície começar a borbulhar, vire-as e deixe dourar do outro lado.
Sirva imediatamente com maple syrup ou mel e nozes.

Notas:
Já fiz estas panquecas duas vezes mas esqueço-me sempre de apontar quantas rende. Na foto só aparecem quatro, mas eu vou provando as panquecas à medida que as vou fazendo, portanto rendem muitas mais :)
Normalmente, faço com metade de farinha de trigo e metade de farinha integral, para pesar menos na consciência.

Boa semana!

tags:
publicado por Ameixinha às 13:09 | link do post | comentar | ver comentários (48) | partilhar
Quinta-feira, 23.12.10

Courgettes assadas com tomilho

Se agora me perguntassem qual o meu acompanhamento favorito eu diria que é mesmo este. Courgette é um dos meus "legumes" de eleição e, apesar de ser um produto de Verão, conseguem-se encontrar durante todo o ano. Melhor só mesmo quando é oferecido, que foi o que aconteceu desta vez. Prepara-se rapidamente, poucos ingredientes e fica muito saboroso. Menos é mais e simples é chique :)

Ingredientes:
3 courgettes (cerca de 700 gramas)
1 cebola
2 colheres (sopa) de azeite
1 colher (chá) de tomilho seco
1/2 colher (chá) de sal
1/8 colher (chá) de pimenta

Preparação:
Pré-aqueça o forno a 230º C. Corte as courgettes em quartos e depois em pedacinhos tal como se vê na foto. Fatie finamente a cebola.
Num tabuleiro, junte as courgettes com a cebola e regue com o azeite, adicione o tomilho, o sal e a pimenta. Asse por 30 minutos, virando-as a meio do tempo e sirva.

Notas:
Usei cebola vermelha mas a receita pede cebola castanha normal. No entanto, acho que o efeito da cor a cru - e mesmo depois de assada - é fantástico.
A receita é da tia Martha.

Bom fim de semana!
publicado por Ameixinha às 14:30 | link do post | comentar | ver comentários (41) | partilhar
Sábado, 18.12.10

Queijadas de leite

Será válido chamar "queijadas" a bolinhos que não levam queijo? Não sei e não sou ninguém para ser purista ao ponto de criar um outro nome para algo tão bom, que até me leva a deixar nomes para segundo plano.
Mas - e aí vem estória - sempre que penso em queijadas, lembro-me de um episódio fabuloso que vivi nesse local maravilhoso que se chama de Sintra :) Depois de uma viagem atormentada pelas inúmeras curvas que me enjoaram, visitamos o Palácio da Pena, passeamos pela vila mais romântica de Portugal, tudo com uma magia e uma cor fenomenal. À vinda para casa, paramos numa pastelaria para provar as queijadas finas, centenárias, famosas e muito boas. Guardo a embalagem zelosamente, não por ser bonita mas porque ao ler os ingredientes, tive um ataquezinho de riso. Em português os ingredientes são: açúcar, farinha, ovos, queijo e canela; em inglês são: sugar, flewer, eggs, chesse, cinnamon; em francês são: sugre, ouels, fromage, cannelle.
Infelizmente não consigo instalar o scanner no computador, porque adorava mostrar-vos isto. Só queria ver a cara dos estrangeiros a lerem aquilo que estão a comer, quando compram as queijadas finas nesta pastelaria, que não vou referir porque não me pagam para isso ;)
Estas queijadas que fiz não levam chesse mas ouels, sugre e flewer não faltam!

Ingredientes:
0, 5 l de leite magro
25 g de manteiga
400 g de açúcar
100 g de farinha
4 ovos
manteiga, farinha, aroma de baunilha e açúcar em pó q.b.

Preparação:
Unte pequenas formas com manteiga e polvilhe-as com farinha.
Ligue o forno a 200º C e coloque dentro um tabuleiro com água. Aqueça o leite com a manteiga. À parte, junte o açúcar com a farinha e os ovos e mexa bem. Adicione o leite, em fio, e aromatize com umas gotinhas de aroma de baunilha. Verta o creme nas forminhas e coloque-as dentro do tabuleiro. Coza, em banho-maria, por cerca de 30 minutos. Desenforme ainda mornos, deixe arrefecer, polvilhe com açúcar em pó e sirva-as frescas.

Notas:
Diminuí a quantidade de açúcar para 300 gramas.
Uso extracto caseiro de baunilha em vez do aroma ou da essência.
Com o Spray Espiga torna-se mais prático untar as forminhas.
Pode adicionar-se à massa 60 g de miolo de amêndoa moído.
Vi a receita na revista "Segredos de Cozinha" nº830 de 2001.

Bom fim de semana!
publicado por Ameixinha às 11:35 | link do post | comentar | ver comentários (59) | partilhar
Segunda-feira, 13.12.10

Esparguete com courgette e azeitonas

Um dos melhores pratos de massa dos últimos tempos, com um dos meus legumes favoritos. Além do mais, falando de tempos de crise, pode virar um prato de aproveitamento, já que o pão ressesso serve perfeitamente para dar o toque crocante a esta sugestão que encontrei no site da tia Martha.
Uma receita simples, muito prática, saborosa e vegetariana. Quem diria? ;)

Ingredientes:
450 g de massa linguini (usei esparguete integral)
1/4 chávena de azeite
3 dentes de alho, descascados
1 cebola vermelha, finamente picada
4 courgettes médias, cortadas em meias luas
20 azeitonas
1 1/2 colher (chá) de oregãos secos
1/2 colher (chá) de flocos de pimenta (usei 2 gotas de piri-piri de medronho)
1/2 chávena de pão
sal q.b.

Preparação:
Coloque uma panela com água ao fogão e leve-a a ferver. Adicione sal q.b., junte a massa e deixe cozer, segundo as indicações na embalagem.
Entretanto aqueça a frigideira (usei a wok), adicione o azeite e salteie o alho até cozinhar, mexendo ocasionalmente, até que o alho fique ligeiramente dourado, cerca de 3 a 5 minutos. Adicione a cebola e a courgette e cozinhe, mexendo frequentemente, até amolecerem, cerca de 5 minutos. Junte as azeitonas, os oregãos e a pimenta; tempere com sal a gosto.
Escorra a massa, reservando 1/2 chávena da água da cozedura. Junte a massa à mistura da wok e agite para combinar os ingredientes. Se a massa parecer seca, adicione uma colher de cada vez da água reservada, mexendo entre cada adição. Transfira a massa para um prato de servir, salpique com azeite e os pedacinhos de pão; sirva imediatamente.

Notas:
Usei pão caseiro, tostei-o um pouco no forno e desfiz em pedacinhos.
Fiz metade da receita e serve bem duas pessoas.

Boa semana a todos!

publicado por Ameixinha às 00:01 | link do post | comentar | ver comentários (42) | partilhar
Quarta-feira, 08.12.10

Doce de melão

Um destes dias de Outono fiz-me à estrada, caminhei sem chuva mas com vento a zumbir nos ouvidos. À ida para a cidade vi folhas caídas, lindas, de um acastanhado dourado tipicamente Outonal e jurei que, na volta para casa, traria algumas no regaço! Pedi muito para não encontrar ninguém no caminho, apenas por vergonha que me vissem a escolher folhinhas à beira da estrada e para que não pensassem "mas quem é aquela maluca que ali está?". As pessoas recolhem-se na segurança dos lares e poucas, muito poucas, atrevem-se a meter o nariz na rua. Pensei para comigo que aquelas folhas tinham que ser aproveitadas, nem que fosse para usar numa má fotografia :) Vim de ramalhete na mão, seguindo orgulhosa deste aproveitamento que fiz, pouco preocupada do que haveriam de pensar, pronta a responder caso alguém perguntasse para que eram aquelas folhas!
Tudo na vida pode ser aproveitado, as folhas caídas e até os melões pouco doces. Todos nós sabemos bem o quanto é importante aproveitar tudo que é possível, sem desperdício e pensando no quanto somos privilegiados por ter acesso a comida, mesmo à fruta pouco saborosa!

Ingredientes:
1 1/2 kg de açúcar (usei apenas 600 gramas)
1 kg de polpa de melão em pedaços
1 casca de laranja ou tangerina

Preparação:
Envolvem-se os pedaços de melão no açúcar e deixam-se em repouso. No dia seguinte, escorre-se todo o líquido para um tacho, leva-se ao lume e deixa-se ferver até ponto de espadana forte. Adiciona-se os pedaços de melão e um pedacinho de casca de tangerina ou laranja, deixa-se ferver em lume brando e mexe-se sempre até descobrir o fundo do tacho.

Notas:
Não segui o procedimento à risca, coloquei o melão com o açúcar já no tacho e no dia seguinte de manhã levei a ferver tudo junto. Depois de ferver a primeira vez, reduzi para lume brando e fui retirando a espuma que se formava por cima, mexendo ocasionalmente. Depois de chegar ao ponto de descobrir o fundo do tacho, triturei com a varinha e guardei em frascos esterilizados.
A quantidade de açúcar que usei é, para mim, suficientemente doce.
Rendeu um frasco grande e um pequeno.
Baseei-me numa receita retirada d' O livro do Pantagruel.
Com esta receita contribuo para o projecto Reciclar do Delícias e Talentos, sem saber muito bem se isto que fiz foi reciclar ou reaproveitar :)
publicado por Ameixinha às 12:10 | link do post | comentar | ver comentários (59) | partilhar
Sábado, 04.12.10

Empanada galega

O mundo das empanadas foi-me apresentado há muitos anos pela minha amiga Susana. Em todas as festas da casa dela, lá está a empanada em cima da mesa. Por incrível que pareça, nunca lhe pedi a receita, apesar de a ter visto preparar empanada algumas vezes, mas as conversas desviam-me sempre a atenção.
Foi no blog La Pasta que encontrei esta sugestão, embora tenha certeza que existem bastantes variações tanto na massa como no recheio, mas decidi experimentar apesar de ter feito algumas omissões e alterações.

Ingredientes:
500 g de farinha
150 g de água
100 g de azeite
50 g de vinho branco
20 g de fermento de padeiro
1 colher (chá) de sal
1 pitada de açúcar

Recheio:
1/2 kg de atum em azeite
1 cebola
2 dentes de alho
1 pimento vermelho grande
3 tomates
3 ovos cozidos
sal e pimenta
1 ovo

Preparação:

Coloque todos os ingredientes para a massa dentro da cuba da MFP. Seleccione o programa "massa" e deixe amassar mas sem levedar. Retire e reserve.
Faça um refogado com a cebola, alhos e pimento picados, junte o tomate em pedaços e deixe estufar até não ter líquidos. Adicione o atum escorrido, tempere com sal e pimenta e deixe cozinhar mais um pouco, até estar seco. Retire do fogão, junte os ovos picados e reserve.
Separe a massa em duas partes, sendo uma maior que a outra. Com o rolo da massa estique o pedaço maior até obter o formato desejado. Forre um tabuleiro com papel vegetal e cubra com a massa, coloque o recheio espalhado por cima, estenda a restante massa e cubra o recheio. Una os rebordos, pincele com ovo batido, decore a gosto e leve ao forno a 200ºC por cerca de 30 minutos.

Notas:
Não usei os ovos cozidos no recheio e adicionei uma cenoura ralada.
Usei 3 latas de atum em azeite porque não tinha meio quilo e achei que foi o suficiente.
Também se podem fazer empanadas em formato pequeno e com qualquer tipo de recheio, resulta muito bem e fica uma refeição deliciosa com uma sopa do lado :)

Bom fim de semana!
tags: , ,
publicado por Ameixinha às 10:00 | link do post | comentar | ver comentários (59) | partilhar
Quarta-feira, 01.12.10

Panquecas preciosas

Uma das piores coisas que me pode acontecer, e que acontece muito frequentemente, é acabar o gás enquanto eu estou a tomar banho. Um destes dias gelados, mal tinha entrado na banheira, coloquei o shampô no cabelo e quando dei uma chuveirada, senti-me enregelar. A água estava completamente gelada e eu encolhi-me imediatamente. Dei uns quantos berrinhos até alguém me ouvir e perguntei, alto e bom som, se o gás tinha terminado. A minha mãe gritou: "Tens cá uma sorte, tem sempre que terminar quando vais tu tomar banho!"
Fiquei ali à espera, dentro da banheira, com o cabelo ensaboado, os neurónios quase catatónicos e a sentir-me a entrar em hipotermia. Lembrei-me do filme "O Senhor dos Anéis". Porquê? - perguntam vocês. Porque eu parecia o Gollum, dobrada sobre mim mesma, a olhar para a torneira de água quente e a pensar "my precious" :)
Preciosas são também estas panquecas com bagos de rubi que, apesar de deliciosas, não me salvaram da constipação mas dão-me um certo conforto nestes dias de frio intenso!

Panquecas de laranja e romã:

5 colheres (sopa) de manteiga
1 chávena de leite
2 ovos
1 chávena de farinha (usei 1/2 farinha para bolos e 1/2 de farinha integral)
1/4 chávena de farinha de milho amarela
1 colher (sopa) de açúcar
1 colher (sopa) + 1 colher (chá) fermento em pó
3/4 colher (chá) de sal
3/4 chávena de bagos de romã
2 colheres (chá) de zest de laranja

Preparação:
Aqueça o leite com a manteiga até que esta derreta. Reserve até estar morno, cerca de 15 minutos. Bata os ovos e, lentamente, adicione 1/4 chávena da mistura de leite. Junte o resto do leite e mexa.
Numa tigela junte as farinhas, açúcar, fermento e sal. Junte a mistura de ovos à mistura seca, um pouco de cada vez, mexendo lentamente até que os ingredientes secos fiquem misturados. Deve ficar uma mistura grumosa e começar a borbulhar.
Adicione os bagos de romã e o zest de laranja e mexa até ficarem misturados.
Aqueça a frigideira, unte com manteiga e adicione 1/4 de chávena da mistura. Cozinhe de um lado e de outro e sirva quente com maple syrup.


Notas:
Rende cerca de 12 panquecas, se usarem a medida de 1/4 de chávena.
Caso pretendam uma massa mais doce, adicionem mais 1 ou 2 colheres de açúcar.
Vi a receita no blog Minimally Invasive, embora a receita original venha do New York Times mas é feita com arandos frescos.

Continuação de boa semana a todos!
publicado por Ameixinha às 12:45 | link do post | comentar | ver comentários (63) | partilhar

mais sobre mim

a possuída moída

Sobrevivo numa selva de hipocrisia, burocracia e cegueira de quem não quer ver. Prefiro não me lembrar da crise de valores que vivemos, mesmo sendo quase impossível esquecer-me disso. Cozinho e como com prazer, mesmo que alguma culpa surja depois. Gosto de andar a pé sozinha, viajar de comboio com um livro na carteira, dizer "Bom dia" com convicção e a sorrir. Ajudar quem precisa é o que me permito fazer sem pensar duas vezes, embora haja muita gente mal-agradecida. Sou adepta da boa disposição, da humanidade e respeito nos serviços de saúde e educação, acredito na capacidade de generosidade e bondade das pessoas que me rodeiam. Entristece-me que, nem sempre, essas capacidades sejam canalizadas quando deveriam. Não gosto das vizinhas coscuvilheiras e de pessoas mal educadas, prepotentes e ocas. Os meus olhos transmitem tudo o resto de mim e são cor da canela. Amo a Fauna e a Flora. Adoro o Outono e as folhas que caem. Não vejo qualquer utilidade em peluches. E a única coisa que é afrodisíaca é o amor.

pesquisar neste blog

 

posts recentes

Posts mais comentados

aqui acontece

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

arquivos

tags

links

subscrever feeds

quantos por cá passaram...